61. O Corpo Governante Tenta Justificar-se (2)

William do Vale Gadêlha


"Poderiam ocorrer", não! O Corpo Governante usou expressões como "verdade estabelecida", "data definitivamente marcada nas Escrituras", "datas de Deus", "podemos seguramente esperar" e "positiva e indiscutível conclusão". Veja as páginas 13, 16-18.

"Manter-se vigilantes" é uma coisa. Profetizar falsamente é outra. Em Marcos 13:35, Jesus disse: "Portanto, mantende-vos vigilantes, pois não sabeis quando vem o senhor da casa..." A atitude cristã correta era vigiar sem preocupar-se com datas.

Certas profecias falsas, 1914, 1918, 1925...

As duas atitudes são biblicamente erradas, e uma não justifica a outra! O Corpo Governante, numa atitude tipicamente humana, tenta minimizar seu erro, ao invés de demonstrar arrependimento e pedir perdão àqueles a quem iludiu, a comunidade mundial das Testemunhas de Jeová.

Nenhum dos textos citados fala em "erro de cálculo" de Moisés. Tampouco estava Moisés naquela ocasião, já sob orientação de Jeová, de quem veio a receber sua designação para libertar os israelitas, quarenta anos depois. (Atos 7:30-34)

Mas não estavam ensinando outros! Estavam perguntando, aprendendo com seu instrutor, Jesus. O Corpo Governante passa adiante seus ensinos errados!

   A Sentinela, 1.º de setembro de 1985, p. 24
A Sentinela, 1.º de setembro de 1985, p. 24

Índice