Apocalipse Adiado: A História das Testemunhas de Jeová (Toronto: University of Toronto Press, 1997, segunda edição) de M. James Penton (1932-), pp. 307-336.

As Testemunhas de Jeová desde 1985: Um Posfácio

M. James Penton


Durante os anos que passaram desde que Apocalypse Delayed [Apocalipse Adiado] foi publicado pela primeira vez em 1985, o número de Testemunhas de Jeová aumentou significativamente. O trauma causado pelo desapontamento de 1975 parece estar praticamente esquecido dentro da comunidade actualmente; enquanto em 1986 havia um auge de 3.299.022 publicadores das Testemunhas e 8.160.597 presentes na celebração do Memorial, em 1995 esses números tinham aumentado para 5.199.895 publicadores e 13.147.201 presentes no Memorial.1

Os gráficos nas páginas seguintes mostram a média e o auge de publicadores das Testemunhas, o número de pessoas baptizadas como Testemunhas de Jeová e o número de pessoas presentes no Memorial em cada ano entre 1986 e 1995.

Se analisada isoladamente, esta informação indica que as Testemunhas de Jeová continuam a ser um movimento religioso dinâmico com um futuro brilhante. A Watch Tower Society afirma que Jeová tem abençoado o trabalho mundial de pregação das Testemunhas e aponta para o aumento como 'prova' dessa bênção. Eles alegram-se por as Testemunhas terem sido capazes de prosperar dramaticamente nas nações anteriormente comunistas da Europa de Leste e na maioria das repúblicas que anteriormente formavam a União Soviética. Além disso, a Sociedade expressa satisfação pelo grande aumento da comunidade das Testemunhas em países tais como o Brasil, o Japão e, sobretudo, o México. Em 1995 o Brasil tinha 416.638 publicadores, um rácio de 1 Testemunha para cada 380 brasileiros. Um total de 1.144.271 pessoas compareceram ao Memorial anual (na Primavera) das Testemunhas durante esse mesmo ano.2 Quanto ao Japão, as Testemunhas de Jeová parecem ser uma das poucas, se não a única, religião cristã ocidental que consegue um aumento significativo nesse país largamente budista/xintoísta. Em 1995 havia 1 publicador das Testemunhas para cada 603 japoneses -- um rácio muito superior ao de muitas nações não-cristãs. Também invulgares são certos factos sobre o movimento das Testemunhas japonesas: mais de 40% de todos os publicadores japoneses são evangelistas pioneiros, as taxas de crescimento no Japão continuam maiores do que na maioria dos países industrializados e as Testemunhas japonesas tendem a ser extremamente leais à sua fé e às instruções da Watch Tower Society que emanam de Brooklyn.3 É no México, contudo, que as Testemunhas conseguiram os ganhos mais espectaculares em anos recentes. Em 1986 havia

[Gráfico]
Figura 1: Média e auge de publicadores, 1986-1995

198.003 publicadores na república e 838.467 assistiram à celebração do Memorial, mas em 1995 houve 443.640 publicadores e 1.492.500 estiveram presentes no Memorial. Tal crescimento tornou o rácio de publicadores das Testemunhas para a população total muito mais alto no México do que nos Estados Unidos. Em 1995 o rácio era 1 publicador para 206 pessoas no México, comparado com 1 publicador para 274 pessoas nos Estados Unidos.4

O tamanho crescente da comunidade das Testemunhas levou a um aumento no número de congregações, filiais e edifícios da Watch Tower. Adicionalmente, o corpo governante providenciou mais instrução para anciãos e servos ministeriais das Testemunhas nas Escolas do Ministério do Reino. Porém, talvez o resultado mais importante tenha sido o estabelecimento de Serviços de Informação Hospitalar (SIH), no modelo do sistema das comissões hospitalares que foram desenvolvidas pela primeira vez no Canadá na década de 1970. De 1988 em diante, os SIH começaram a treinar anciãos das Testemunhas nos Estados Unidos e noutros países para se tornarem membros das Comissões de Ligação com Hospitais [COLIH's], cujo objectivo é apoiar as Testemunhas na sua oposição a certos

[Gráfico]
Figura 2: Número de baptizados, 1986-1995

tipos de terapia que envolve sangue, especialmente transfusões, e encorajar médicos e hospitais a respeitarem os desejos das Testemunhas individuais nesta matéria.5

As Comissões de Ligação com Hospitais têm sido indubitavelmente uma grande influência no decréscimo da oposição à posição das Testemunhas a respeito das terapias que envolvem sangue. Contudo, a preocupação pública acerca da transferência de SIDA, hepatite C e doença de Creutzfeldt-Jakob através de soro sanguíneo e de fracções do sangue, e alguns escândalos envolvendo a Cruz Vermelha e bancos de sangue em vários países, tiveram provavelmente um efeito mais importante. Embora as Testemunhas continuem a enfrentar objecções sérias das profissões médica e legal quando rejeitam transfusões para crianças menores e, em particular, bebés recém-nascidos, o 'assunto do sangue' já não parece ser um grande problema para as Testemunhas de Jeová no mundo de língua inglesa e em muitos países do terceiro mundo.

As Testemunhas de Jeová também tendem a sofrer menos perseguição do que no passado. Embora ainda estejam banidas nos poucos países comunistas que ainda restam no mundo, em muitos Estados islâmicos e em Singapura, é só neste último país

[Gráfico]
Figura 3: Assistência ao Memorial, 1986-1995

que elas foram recentemente sujeitas a muita perseguição directa. Nesse país elas foram ilegalizadas por recusarem serviço militar e por uma falta de patriotismo geral, e têm sido detidas, colocadas na prisão e multadas por realizarem reuniões ilegais. O advogado canadiano das Testemunhas, Glen How, agiu recentemente em defesa delas na apelação dos seus casos para o supremo tribunal de Singapura; contudo, o juiz presidente ridicularizou-o abertamente nesses esforços e confirmou as sentenças originais contra os irmãos de How em Singapura.6 Deve-se enfatizar, contudo, que em comparação com os níveis de perseguição que as Testemunhas tiveram no passado, as suas dificuldades em Singapura e no resto do mundo são bastante reduzidas.

Porém, existe outro lado da situação, que a Watch Tower Society não anuncia. Em primeiro lugar, basta dizer que embora os aumentos numéricos das Testemunhas de Jeová nas repúblicas da ex-União Soviética, no Japão e na maior parte do terceiro mundo não-muçulmano sejam bastante altos, a taxa de crescimento nos países industrializados da Europa, da América do Norte e dos Antípodas tem diminuído apreciavelmente.7 Em segundo lugar, ainda há um grande número de indivíduos que são obrigados a sair do movimento ou que saem voluntariamente. Segundo as próprias estatísticas da Sociedade, aproximadamente 40.000 pessoas têm sido desassociadas anualmente da comunidade mundial das Testemunhas,8 e muitos outros milhares dissociaram-se formalmente das Testemunhas de Jeová ou isolaram-se simplesmente das suas congregações.9 Em terceiro lugar, e talvez mais significativo, a Sociedade está agora sob ataque de anteriores membros, num grau nunca antes visto, e tanto a doutrina da Watch Tower como o movimento das Testemunhas estão sendo estudados, avaliados e criticados como nunca antes. Assim, os líderes da Watch Tower e a comunidade das Testemunhas como um todo manifestam um sentimento cada vez maior de paranóia e de ódio aberto em relação aos 'apóstatas' e 'opositores'. Estes factores são discutidos adiante com mais detalhe.

A Tabela 5 (p. 312) mostra o crescimento das Testemunhas de Jeová entre 1986 e 1995 nos países largamente industrializados, ou 'primeiro mundo', da Europa ocidental e mediterrânea, Austrália, Canadá, Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Estados Unidos. Deve-se notar que os números para a Alemanha no ano 1985 não estão completos visto que não incluem estatísticas para o que era então a República Democrática Alemã (RDA, ou Alemanha de Leste). Com base no que foi relatado no Anuário das Testemunhas de Jeová de 1991 (p. 40), existiam 20.874 publicadores na RDA em 1990. Assim, boa parte do crescimento aparente na Alemanha durante a década 1986-1995 é atribuível à reunificação alemã em vez de a um aumento numérico real. O gráfico na página 313 compara o crescimento das Testemunhas nos países desenvolvidos com o crescimento mundial.

Mudanças nas Práticas e Doutrinas da Watch Tower

Apesar do facto de a comunidade das Testemunhas se estar a expandir rapidamente e estar actualmente a enfrentar menos antagonismo das autoridades seculares, de outras religiões e da profissão médica, do que nos tempos desde antes da Primeira Guerra Mundial, é óbvio para observadores cuidadosos que o corpo governante e as suas sociedade legais não estão a responder adequadamente aos problemas que o movimento enfrenta. É verdade que o corpo governante tem feito algumas mudanças organizacionais e doutrinais desde meados da década de 1980, mas estas têm sido largamente respostas a factores externos sobre os quais eles têm pouco controlo. A inabilidade em mudar de modos que, a longo prazo, serão necessários para a saúde e desenvolvimento da comunidade demonstra a aridez intelectual da liderança das Testemunhas.

Uma mudança que presentemente parece ter pouco significado ocorreu em 1992, quando o corpo governante designou um certo número de altos funcionários da sua confiança, da classe da 'grande multidão', para os assistirem em levar a cabo o governo das Testemunhas de Jeová, incluindo sentarem-se nas anteriormente exclusivas comissões administrativas do corpo governante.10

Tabela 5: Percentagem de aumento de publicadores nos países desenvolvidos, 1986-1995

Países ou filiais Média de publ.--1986 Média de publ.--1995 % de aumento
Alasca 1.868 2.146 15
Andorra 98 137 40
Austrália 42.998 59.474 38
Áustria 16.185 20.598 27
Bélgica 21.343 26.853 26
Grã-Bretanha 101.863 125.138 23
Canadá 84.343 109.168 29
Chipre 1.096 1.627 48
Dinamarca 14.796 15.604 5
Finlândia 15.533 18.906 22
França 89.785 123.408 37
Alemanha 116.152 165.746 43
Gibraltar 124 234 89
Grécia 22.815 25.764 13
Islândia 173 302 75
Irlanda 2.472 4.372 77
Itália 134.677 210.012 56
Japão 108.702 201.266 85
Coréia, Rep. da 41.751 78.782 89
Liechtenstein 43 60 40
Luxemburgo 1.246 1.796 44
Países Baixos 28.367 31.142 10
Nova Zelândia 9.165 12.573 37
Noruega 7.929 9.687 22
Portugal 29.617 43.633 47
Espanha 63.453 97.674 54
Suécia 20.350 23.792 17
Suíça 13.373 18.196 36
E.U. da América 710.344 912.002 28
Total 1.700.661 2.340.092 38

Conhecidos pelos nomes esotéricos de 'Netineus', 'filhos dos servos de Salomão', ou 'Dados', este corpo de indivíduos sem dúvida foi criado porque aqueles que agem como corpo governante estão a desaparecer gradualmente ou, com a excepção de um membro recentemente designado, têm idade avançada. Os Netineus podem eventualmente assumir papéis de liderança principais, o que poderia levar a reformas no interior do movimento das Testemunhas. Presentemente, porém, o corpo governante recusa-se a renunciar à sua autoridade. Existe igualmente outra barreira para uma maior autoridade dos Netineus -- nomeadamente, para que eles possam ganhar maior controlo sobre a Watch Tower Society e sobre as Testemunhas de Jeová, têm de ser feitas mudanças doutrinais. Esta barreira deve ser ultrapassável: se a história das Testemunhas

[Gráfico]
Figura 4: Percentagem de crescimento de publicadores nos países desenvolvidos e no mundo inteiro, 1986-1995

ensina alguma coisa, é que grandes mudanças doutrinais surgem em resposta às necessidades práticas das pessoas que controlam a organização. À medida que o actual corpo governante for morrendo, membros da classe dos Netineus podem substituir membros do chamado restante ungido nos cargos mais elevados do movimento das Testemunhas.

Outro factor que pode ter grande importância é o corpo governante ter suavizado a sua posição em relação à educação superior ou avançada. Conforme indicado anteriormente, historicamente o movimento Watch Tower tem-se oposto à educação superior, excepto em casos raros. Embora nunca tenha existido uma proibição absoluta contra o ingresso na Universidade, declarações negativas constantes nas publicações da Watch Tower e pressão psicológica de anciãos, de superintendentes de circuito e de membros de família fizeram com que muitas Testemunhas jovens não ingressassem em instituições de ensino superior. No entanto, ao longo dos anos algumas pessoas jovens deixaram o movimento das Testemunhas em vez de desistirem da oportunidade de seguir estudos universitários, com o resultado de as Testemunhas de Jeová perderem muitos dos seus membros mais brilhantes. Assim, em anos recentes a Watch Tower Society apercebeu-se lentamente que: (1) precisava de indivíduos altamente treinados, particularmente em áreas como a contabilidade, a ciência computacional e o direito, para levar a cabo as suas próprias actividades; e (2) em muitos países do mundo industrializado, a educação superior estava a tornar-se um pré-requisito essencial para empregos que oferecem remunerações adequadas para manter homens e mulheres jovens e suas famílias. A Sociedade também se apercebeu que muitos pioneiros estavam a desistir dos seus ministérios porque não conseguiam obter empregos decentes. The Watchtower [A Sentinela] de 1.º de Novembro de 1992 disse: 'Que situação se encontra hoje muitas vezes? Relatou-se que, em alguns países, muitos jovens bem-intencionados abandonaram a escola depois do período mínimo obrigatório, a fim de se tornarem pioneiros. Não tinham nenhum ofício, nem qualificações seculares. Os que não recebiam ajuda dos pais tiveram de achar um emprego por meio período. Alguns tiveram de aceitar trabalhos que exigiram deles trabalhar muitas horas para ganhar o suficiente para o sustento. Ficando fisicamente esgotados, desistiram do ministério de pioneiro. O que podem esses fazer para sustentarem a si mesmos e voltar ao serviço de pioneiro?' De forma muito relutante, a revista oficial disse ainda: '... quando pais e jovens cristãos, hoje em dia, depois de avaliar com cuidado e oração os prós e os contras, decidem a favor ou contra estudos depois da escola secundária, outros na congregação não devem criticá-los.'11

Isto não significa que a Sentinela estivesse a abandonar a sua aversão aberta pela educação superior; a sua mudança de posição era claramente pragmática e é acompanhada por uma declaração curiosa: 'Caso se façam cursos adicionais, o motivo certamente não deve ser o de se destacar em erudição ou de empenhar-se por uma prestigiosa carreira no mundo. Os cursos devem ser escolhidos com cuidado. Esta revista tem colocado ênfase nos perigos da educação superior, e isto é justificável, porque grande parte da educação superior se opõe ao "ensino salutar" da Bíblia. (Tito 2:1; 1 Timóteo 6:20, 21) Além disso, desde os anos 60, muitas escolas de ensino superior tornaram-se berços de iniqüidade e de imoralidade. "O escravo fiel e discreto" tem fortemente desestimulado ingressar em tal ambiente. (Mateus 24:12, 45) Deve-se admitir, porém, que os jovens, atualmente, se confrontam com esses mesmos perigos nas escolas secundárias e em escolas técnicas, e até mesmo no lugar de trabalho. -- 1 João 5:19.'12

Qualquer que tivesse sido o seu pensamento, o corpo governante das Testemunhas de Jeová, falando através da Sentinela, abriu o mundo da educação superior para a juventude das Testemunhas de Jeová e agora muitos estão a entrar nele. Consequentemente, isto pode levar a uma comunidade das Testemunhas de mente mais aberta e mais questionamento da estrutura de autoridade das Testemunhas. Mas seria errado ficar demasiado optimista sobre a probabilidade disso acontecer. A Watch Tower Society ainda enfatiza que a educação superior só deve ser seguida para se obter um razoável nível de vida; eles nunca sugerem que os cursos superiores ou universitários deviam ser seguidos para alargar o conhecimento geral dos estudantes sobre o universo em que vivem. De facto, parece que os líderes das Testemunhas -- tal como grandes segmentos das comunidades religiosas conservadoras e de negócios do mundo industrializado -- nunca ouviram falar do conceito de educação liberal. O mais provável é que, tal como acontece com outros grupos sectários, em particular os Mórmons, haverá uma tendência para as Testemunhas de Jeová mais jovens optarem por cursos em 'campos práticos' como computadores, contabilidade e gestão de empresas, que tendem a não ameaçar o seu sistema de crenças. É provável que poucos façam estudos em áreas como as humanidades, as ciências sociais ou as ciências biológicas, disciplinas que são muito ameaçadoras para a visão do mundo que as Testemunhas têm.

Mais recentemente a Watch Tower Society também adoptou uma atitude mais positiva em relação à educação e aos educadores do ensino elementar e secundário -- novamente devido a razões obviamente pragmáticas. Durante anos a brochura da Watch Tower Society School and Jehovah's Witnesses [A Escola e as Testemunhas de Jeová] tinha veiculado uma mensagem extrema para os professores e administradores das escolas a respeito das coisas que as crianças das Testemunhas não podiam fazer na escola. De facto, A Escola e as Testemunhas de Jeová era praticamente insultuosa sobre muitos programas escolares extracurriculares, e sobre estudantes não-Testemunhas, que eram rotulados de 'associações impróprias'.13 Porém, talvez mais significativo tenha sido o facto de pais não-Testemunhas e ex-Testemunhas terem começado a usar a brochura em casos de tribunal envolvendo custódia de crianças para provar que, se os seus filhos ficassem com os pais Testemunhas, seriam privados de uma educação normal e de vidas psicologicamente saudáveis.14 Assim, em 1995 a Watch Tower Society fez uma brochura muito menos inflamatória, intitulada Jehovah's Witnesses and Education [As Testemunhas de Jeová e a Educação]. Esta publicação, para distribuição junto dos professores e administradores, concluía com a seguinte declaração: 'As Testemunhas esforçam-se a encarar a vida de forma realística, de modo que dão muita importância à educação. Por isso desejam colaborar o máximo possível com os professores. As Testemunhas de Jeová, da sua parte, no lar e nos seus lugares de adoração, em todo o mundo, continuarão a incentivar os filhos a desempenharem o seu papel nesta colaboração produtiva.'15

Frederick W. Franz, o quarto presidente da Watch Tower Society, morreu em 22 de Dezembro de 1992,16 e o seu desaparecimento pareceu abrir a porta para pelo menos uma mudança doutrinal de grande importância. Franz era em muitos sentidos o último elo de autoridade com as eras de Russell e de Rutherford, e a última pessoa a ter algum impacto carismático na comunidade das Testemunhas como um todo.17 Como ele tinha guiado e desenvolvido a doutrina da Watch Tower desde o tempo do Juiz Rutherford até pouco tempo antes da sua morte, parece evidente que os outros membros do corpo governante estavam relutantes em fazer, antes de Franz falecer, quaisquer mudanças que não estivessem em harmonia com as suas ideias. O seu sobrinho, Raymond Franz, tinha tentado fazê-lo da maneira mais suave possível e fora expulso do corpo governante e das Testemunhas de Jeová em resultado disso. Mas, com a morte do quarto presidente da Watch Tower, sem dúvida ficou mais fácil fazer mudanças doutrinais.

Oito dias depois da morte de Frederick Franz, Milton G. Henschel sucedeu-lhe como presidente da Watch Tower Bible and Tract Society e de outras sociedades das Testemunhas de Jeová.18 Tal como Franz, Henschel também é um membro conservador do corpo governante, mas não tem aquela vivacidade pública que era tão característica de Russell, Rutherford e Franz. Embora ele seja um dos membros mais importantes do corpo governante, a sua posição como presidente da sociedade é mais honorária do que no caso dos anteriores presidentes da Watch Tower.19 Assim, tem sido possível ao corpo governante tratar um assunto doutrinal que se estava a tornar num sério embaraço para as Testemunhas de Jeová.

Durante anos a Watch Tower Society tinha proclamado que Cristo retornara invisivelmente em 1914 e a geração que presenciara esse ano veria o 'fim definitivo' do sistema de coisas. A seguir ao colapso de 1975, esta doutrina começou a ser cada vez mais um embaraço. O livro The Gentile Times Reconsidered [Os Tempos dos Gentios Reconsiderados], de Carl Olof Jonsson, levantou sérias questões sobre a assim chamada cronologia bíblica, da Sociedade, que é usada para apoiar a data 1914. A Sociedade desconsiderou em grande medida esse trabalho, desassociando Jonsson e ignorando os aspectos mais danosos trabalho dele numa área que é demasiado complexa para a Testemunha de Jeová média compreender. No entanto, à medida que os anos passavam e a geração de 1914 começou a morrer, tornou-se óbvio que, se o Armagedom fosse adiado outra vez, tinha de ser feita alguma coisa para evitar outra crise iminente nas datas estabelecidas pelas Testemunhas. Consequentemente, a partir da edição de 15 de Fevereiro de 1994 da revista The Watchtower [A Sentinela] a Sociedade começou a rever a sua escatologia.

Raymond Franz observa: 'Durante cerca de meio século, a Watchtower [Sentinela] ensinou e argumentou que a declaração de Jesus a respeito de "sinais no sol e na lua e nas estrelas, e na terra angústia de nações" se aplica de 1914 em diante. (Veja como apenas um de muitos exemplos, a Watchtower de 15 de Julho de 1946, página 217.) Agora, estes foram mudados para o futuro, para depois do início da vindoura "grande tribulação" e estes artigos atribuíram um período alargado a esta tribulação.' Baseando outros comentários num estudo não publicado, intitulado 'This Generation Shall Not Pass Away' [Esta Geração Não Passará], de Ray Mattera, de Wheaton, Illinois, Franz aponta para o facto de a Watch Tower agora defender que 'a selagem dos escolhidos', o remanescente dos 144.000, só ocorrerá no futuro e terá lugar durante a grande tribulação.20

Embora tipicamente difícil de perceber, mesmo para Testemunhas de Jeová leais, este novo ensino serviu como um pequeno prenúncio de eventos futuros e mostrou que a Watch Tower Society estava a dar maior ênfase a interpretações futuristas de profecias escatológicas do 'pequeno apocalipse' de Mateus 24, Marcos 13, Lucas 21 e Revelação. Na edição de 15 de Outubro de 1995 da The Watchtower [A Sentinela], a Sociedade decidiu que a separação das ovelhas dos cabritos, mencionada por Jesus em Mateus 25, não tinha estado a ocorrer desde que Jesus regressara invisivelmente em 1914 mas também ocorreria durante a futura grande tribulação. É claro que, de modo típico, The Watchtower [A Sentinela] afirmou que a grande tribulação ocorreria em breve, e as ovelhas e os cabritos (a Humanidade em geral) seriam então julgados com base no modo como tinham tratado o restante ungido das Testemunhas de Jeová.21 Mais uma vez, esta foi uma mudança de significado menor.

Em 1 de Novembro de 1995, a Sociedade atacou o seu maior problema escatológico imediato reinterpretando o significado do termo 'esta geração', usado por Jesus em Mateus 24:34. Conforme foi dito acima, a Watch Tower Society ensinava há muito tempo que aqueles que estavam vivos em 1914 veriam o fim do actual mundo ou sistema de coisas. Assim, 'esta geração' era compreendida como significando as pessoas vivendo contemporaneamente, neste caso com o grande evento da presença e entronização invisível de Cristo em 1914. Até uma semana depois de a Sociedade ter mudado a doutrina de 'esta geração', a revista Awake! [Despertai!] ainda estava a fazer esta proclamação sobre si mesma no seu editorial: 'Importantíssimo, é que esta revista gera confiança na promessa do Criador de uma Nova Ordem pacífica e segura antes que passe a geração que viu os acontecimentos de 1914.' Consequentemente, por causa desta doutrina antiga, as Testemunhas de Jeová tinham especulado vez após vez ao longo dos anos sobre a duração de uma geração bíblica. Na Watchtower [Sentinela] de 1.º de Novembro de 1995, porém, a Sociedade decidiu que era errado defender que o termo 'esta geração' podia ser fixado a uma data específica. A revista citou com aprovação a declaração do professor de história Robert Wohl em The Generation of 1914 [A Geração de 1914]: '"Uma geração histórica não é definida pelos seus limites cronológicos... Não é uma zona de datas."' [Tradução da edição inglesa] Depois afirmou que 'no cumprimento final da profecia de Jesus [em Mateus 24 e 25] hoje, "esta geração" aparentemente refere-se àquelas pessoas que vêem o sinal da presença de Cristo mas deixam de corrigir os seus caminhos.'22

O que isto significa é que a Watch Tower Society, agindo pelo corpo governante das Testemunhas de Jeová, criou uma situação através da qual pode continuar a argumentar que Cristo veio invisivelmente em 1914 e que o 'fim definitivo' está muito próximo, mas a Sociedade pode dizer, com algum equívoco, conforme se observa adiante, que já não prega nem sequer uma data aproximada para os eventos apocalípticos da grande tribulação. Por isso agora não é tão provável que as Testemunhas de Jeová sofram um desapontamento se o velho sistema de coisas não for finalmente destruído nem o milénio começar no ano 2000.

Uma mudança menos doutrinal mas importante na prática veio na edição de 1.º de Maio de 1996 da The Watchtower [A Sentinela]. Durante décadas a Sociedade tinha defendido que as Testemunhas de Jeová não devem realizar serviço cívico alternativo em substituição do recrutamento para as forças armadas de muitas nações onde esse recrutamento ainda existe. Em resultado disso, muitos milhares de homens comuns das Testemunhas e algumas mulheres sofreram encarceramento devido às suas crenças, em alguns casos durante muitos anos. Por outro lado, quando algumas Testemunhas individuais aceitaram designações de serviço cívico alternativo, foram tratadas como espiritualmente fracas e foram-lhes negados muitos privilégios nas suas congregações. Mas no artigo 'Paying Back Caesar's Things to Caesar' [Pagamos a César as Coisas de César], The Watchtower [A Sentinela] de 1.º de Maio de 1996 declarou que, se uma Testemunha de Jeová decidir realizar serviço cívico nacional, isso é um assunto de 'consciência pessoal'. Disse ainda: 'Essa é a sua decisão perante Jeová. Anciãos designados e outros devem respeitar completamente a consciência do irmão e continuar a encará-lo como um cristão de boa reputação.'23 [Tradução do inglês]

Os Efeitos das Mudanças Doutrinais da Torre de Vigia Sobre a Comunidade das Testemunhas

Em grande medida, a comunidade das Testemunhas respondeu às novas mudanças doutrinais com apatia. Alguns dos novos ensinos da Watchtower [Sentinela] são demasiado complexos para serem entendidos pela maioria das Testemunhas de Jeová, e muitas simplesmente não lhes prestam muita atenção, encarando-os como 'nova luz' do escravo fiel e discreto. Conforme James Beckford observou: 'O que é sociologicamente interessante sobre as testemunhas de Jeová é que elas sentem satisfação psicológica em perceberem um padrão coerente nas suas crenças apesar de possíveis inconsistências internas, e mesmo se notam inconsistências, elas podem então rejeitar a responsabilidade pessoal pelas suas próprias crenças na convicção segura de que alguém, em algum lugar na Sociedade Torre de Vigia, deve ser capaz de resolver o problema. Uma premissa implícita no argumento é normalmente que, se as inconsistências detectadas fossem reais, então as crenças não teriam ganho uma ampla popularidade.'24

Seria errado assumir que todas as Testemunhas de Jeová têm esta atitude. De cada vez que a Sociedade Torre de Vigia faz uma grande mudança doutrinal, e às vezes até uma pequena mudança, perde muitos aderentes, entre os quais estão frequentemente os mais inteligentes e por vezes as Testemunhas mais activas. Está-se a tornar cada vez mais evidente para essas pessoas que mesmo a escatologia milenar da Sociedade -- a força motriz por detrás do élan e crescimento da comunidade -- está feita de modo a manter a organização das Testemunhas sob o domínio do corpo governante. Conforme Ray Mattera comentou em privado: 'As Testemunhas de Jeová têm pouca teologia, cristologia e pneumatologia verdadeiramente sistemática. De facto, elas quase não têm de todo um sistema doutrinal consistente, excepto num aspecto: elas têm uma eclesiologia que enfatiza a lealdade à organização Torre de Vigia sobre tudo o resto.' Portanto, quando a Sociedade anunciou a sua nova doutrina sobre 'esta geração', em Novembro de 1995, muitos ministérios de ex-Testemunhas dirigidos a Testemunhas de Jeová receberam muitas chamadas telefónicas de publicadores comuns das Testemunhas, e até de muitos anciãos, pedindo ajuda espiritual.25 Mais recentemente, tem havido algumas saídas devido à mudança que foi feita a respeito do serviço cívico nacional. Muitos indivíduos que foram forçados a ir para a prisão em vez de fazerem o serviço cívico alternativo devido à legislação da Torre de Vigia interrogam-se por que tiveram de sofrer o encarceramento se agora não há nada de mal com esse serviço alternativo.

Atitudes e Políticas do Corpo Governante

No apêndice à última edição de Crisis of Conscience [Crise de Consciência], Raymond Franz indica que em muitos sentidos o corpo governante e a Sociedade Torre de Vigia tornaram-se mais, em vez de menos, conservadores desde que ele foi expulso da sede da Sociedade em Brooklyn em 1980.26 Além de desenvolverem uma linha muito mais dura no que diz respeito à ostracização de pessoas desassociadas e uma nova sentença que diz que pessoas que renunciam voluntariamente das Testemunhas de Jeová devem ser tratadas como se fossem desassociadas, em 1983 o corpo governante regressou à sua posição anterior segundo a qual as Testemunhas podiam ser desassociadas por praticarem sexo oral ou anal com os seus cônjuges.27 Depois, para lidar com a afirmação de muitos indivíduos que estavam a deixar a comunidade das Testemunhas, de que tinham feito a sua dedicação e baptismo a Jeová Deus e a Jesus Cristo em vez de a uma organização, a Sociedade mudou a natureza das perguntas feitas aos candidatos ao baptismo. Segundo a The Watchtower de 1.º de Agosto de 1970 (p. 465), as duas perguntas eram: (1) 'Reconhece que é um pecador que precisa da salvação de Jeová Deus? E reconheceu que esta salvação procede dele, e através do seu resgatador Jesus Cristo?'; e (2) 'Na base desta fé em Deus e na sua provisão para a redenção, dedicou-se a si mesmo sem reservas a Jeová Deus para fazer a sua vontade de agora em diante do modo como ela se revelar a si através de Jesus Cristo e através da Palavra de Deus conforme o espírito santo torna claro?' Contudo, na The Watchtower de 1.º de Junho de 1985 (p. 30), foram impressas em negrito as novas perguntas, como se segue: (1) 'Com base no sacrifício de Jesus Cristo, arrependeu-se dos seus pecados e dedicou-se a Jeová para fazer a sua vontade?'; e (2) 'Compreende que a sua dedicação e baptismo o identificam como uma das Testemunhas de Jeová em associação com a organização de Deus dirigida pelo espírito?' Finalmente, depois de vacilar muitas vezes sobre o assunto, a Sociedade decidiu outra vez que os habitantes das antigas cidades de Sodoma e Gomorra não terão uma ressurreição.28 Curiosamente, a Sociedade não está preparada para deixar esta decisão a Jeová.

A razão subjacente ao conservadorismo do corpo governante reside principalmente nas atitudes das pessoas que o compõem, muitas das quais foram escolhidas pelo seu 'longo serviço e dependência organizacional' em vez de serem escolhidas por terem alguma habilidade particular ou espiritualidade proeminente. Eles são como muitos dos velhos burocratas do partido que chegaram ao poder na União Soviética depois da morte de Estaline: leais ao passado, eles têm pouco ou nenhum desejo de mudar a natureza da doutrina ou governação básica das Testemunhas. Eles parecem contentes em esperar pela sua 'recompensa celestial', que acham estar muito perto. Com base no que Raymond Franz diz, em Julho de 1996 as idades dos membros do corpo governante eram as seguintes: Gerrit Loesch, que é o único membro acrescentado ao corpo governante em mais de uma década e meia, tem agora 55; Ted Jaracz, 71; Milton Henschel, 76; Dan Sydlik, 77; Lloyd Barry, 80; Jack Barr, 83; Albert Schroeder, 85; Lyman Swingle, 86; e Carey Barber e Karl Klein, 91.29 O que isto significa é que, mesmo contando com Loesch, a média de idades dos membros do corpo governante é 79,5 anos. Portanto, com a excepção de Loesch, os membros do corpo governante são a 'velha guarda' em todo o sentido desse termo. Além disso, os três membros mais influentes do Sinédrio das Testemunhas são Jaracz, Henschel e Barry, todos conhecidos pelo seu conservadorismo extremo e desejo de pressionar as Testemunhas a fazer o trabalho de pregação de porta em porta.

O conservadorismo do corpo governante é expresso de maneiras que podem ser descritas como mais do que apenas um pouco enganadoras. Por exemplo, durante muitos anos as Testemunhas de Jeová e os colportores dos Estudantes da Bíblia antes delas tinham 'colocado' ou 'vendido' literatura da Torre de Vigia de porta em porta, aos potenciais convertidos, por 'contribuições' monetárias fixas, incluindo taxas de assinatura para The Watchtower [A Sentinela] e as suas revistas acompanhantes -- The Golden Age [A Idade de Ouro], Consolation [Consolação] e Awake! [Despertai!] Durante o fim da década de 1980, porém, o Jimmy Swaggart Ministries [organização religiosa de um televangelista] foi para tribunal para tentar ter as suas publicações religiosas, pelas quais cobrava dinheiro, isentas dos impostos da Califórnia sobre as vendas.30 Apesar do seu antagonismo em relação a todas as outras religiões, a Sociedade Torre de Vigia apoiou o Jimmy Swaggart Ministries com um pedido de amicus curiae perante o Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Mas quando o tribunal decidiu que a literatura religiosa estava sujeita a impostos, a Watch Tower mudou a sua política nos Estados unidos quase imediatamente, e em outros países mudou-a algum tempo depois. Conforme observou Comments from the Friends [Comentários dos Amigos], uma publicação de ex-Testemunhas de Stoughton, Massachusetts: 'Em 25 de Fevereiro [de 1990] uma carta da sede de Brooklyn foi lida em Salões do Reino por todos os Estados Unidos, anunciando uma grande mudança na política da Watchtower. Invertendo uma prática de 110 anos, já não seriam mais estabelecidos preços para os livros, revistas ou assinaturas. Numa carta posterior datada de 21 de Fevereiro, a Sociedade explicou a nova política deste modo: "Adoptando um método de distribuição de literatura baseado inteiramente em donativos, o povo de Jeová pode simplificar grandemente o nosso trabalho de educação bíblica e separar-nos daqueles que comercializam a religião."'31 O que isto significava era que, antes de deixarem os salões do reino, esperava-se que as Testemunhas 'contribuíssem o que desejassem' pela literatura que ofereceriam no seu ministério de porta em porta. É claro que a Sociedade fez sugestões através de anciãos locais quanto ao que os publicadores deviam 'desejar contribuir'. Assim, a Sociedade Torre de Vigia passou a responsabilidade de pagar pelas suas publicações do público em geral para as Testemunhas de Jeová.

Conforme o Brooklyn Heights Press reconheceu, a Sociedade tinha uma razão menos espiritualmente elevada para a sua nova política: ao oferecer a literatura gratuitamente ao público, evitava pagar impostos que podiam ascender a muitos milhões de dólares.32 Comments from the Friends observou que se tinha exigido que o Jimmy Swaggart Ministries pagasse 183.000 dólares em impostos sobre vendas de literatura no valor de 2 milhões de dólares. Portanto, se a Watch Tower Society tivesse de pagar uma importância proporcional pela venda dos seus livros, folhetos, brochuras e revistas colocados junto do público dos Estados Unidos só em 1989, teria de pagar 6,5 milhões de dólares em impostos sobre vendas.33

Um exemplo similar de cinismo da organização está relacionado com a mudança do estatuto da Sociedade no México. Apesar do facto de as Testemunhas de Jeová terem durante muitos anos completa liberdade religiosa nesse país sob a constituição de 1917, conforme foi observado anteriormente a Sociedade tinha escolhido ser registada como uma sociedade cultural. Isto significava que a Sociedade podia possuir directamente propriedades, em vez de apenas usá-las ao passo que eram possuídas pela república. No entanto, as Testemunhas de Jeová mexicanas foram forçadas a pagar um alto preço pelo estratagema da Sociedade. Os seus salões do reino eram chamados 'salões culturais' e as Testemunhas não podiam orar neles nem iniciar as suas reuniões com 'cânticos do reino'. Elas não podiam ir de porta em porta com a Bíblia, como faziam na maioria dos outros países democráticos. Depois de o México ter mudado a sua constituição no fim da década de 1980, em 1.º de Abril de 1989 as Testemunhas tornaram-se subitamente numa religião segundo a lei mexicana.34 Comentando este desenvolvimento, Raymond Franz diz:

Depois de quase meio século em que teve o estatuto de uma organização 'cultural' no México, a organização Watch Tower mudou finalmente esse estatuto para o de uma organização religiosa. A revista Watchtower [Sentinela] de 1.º de Janeiro de 1990 (página 7) anunciou que a 'mudança de estatuto' das Testemunhas de Jeová tinha ocorrido em 1989. A revista descreveu as Testemunhas mexicanas como podendo pela primeira vez usar a Bíblia ao irem de casa em casa, e pela primeira vez poderem iniciar as reuniões com oração.

A revista descreve como esta mudança foi 'emocionante' para as Testemunhas mexicanas e como isso lhes trouxe 'lágrimas de alegria'. A revista atribui um aumento imediato de mais de 17.000 'publicadores' a esta mudança.

O artigo não diz ao leitor absolutamente nada quanto a qual tinha sido o estatuto anterior, por que prevaleceu, ou como a mudança de estatuto surgiu. Qualquer pessoa que lesse o artigo assumiria que a mudança do estatuto, com os benefícios descritos, era algo que a organização sempre quis. Lendo o artigo, suporíamos que era o governo do México ou as suas leis que até essa altura tinham impedido as Testemunhas de orar nas reuniões ou de usar a Bíblia na sua actividade de porta em porta. A revista nunca diz ao leitor que a razão pela qual as Testemunhas mexicanas foram privadas destas coisas -- durante pelo menos meio século -- foi porque a sede da sua própria organização escolheu que isso fosse desse modo, optou voluntariamente em favor de outro estatuto. A revista não diz ao leitor que estas mudanças 'emocionantes' que trouxeram 'lágrimas de alegria' sempre tinham estado disponíveis, durante muitas décadas, requerendo apenas uma decisão organizacional de abandonar a sua pretensão de que a organização das Testemunhas no México não era uma organização religiosa e sim 'cultural'. A única razão porque as Testemunhas mexicanas não se tinham envolvido nestas coisas antes era porque a organização da sede os instruiu a não o fazer, para proteger o estatuto escolhido de organização 'cultural'. Estes são factos conhecidos por aqueles em posições de responsabilidade na organização mexicana das Testemunhas. Não são conhecidos pela vasta maioria das Testemunhas no exterior desse país e a Watchtower [Sentinela] de 1.º de Janeiro de 1990 manteve-os na escuridão sobre este assunto. Apresentou um imagem 'expurgada' da ocorrência, que era tão enganadora como a prática anterior a 1989, de fingir que eram algo diferente de uma organização religiosa, ao passo que sabiam muito bem que o eram.

Conforme mostra um artigo mais recente, na Awake! [Despertai!] de 22 de Julho de 1994, a disposição da organização Watch Tower abandonar o seu fingimento que já durava há décadas estava relacionada com as emendas à constituição mexicana que têm sido progressivamente adoptadas pelos corpos legislativos ali. Sob as novas emendas, as igrejas são mais uma vez autorizadas a possuir edifícios e propriedades. Isto é verdade não apenas no caso da Igreja Católica mas também no caso de todas as denominações.35

A Promoção Continuada de História Falsificada

Tal comportamento da parte do corpo governante demonstra que está primariamente interessado em manter a autoridade da organização Torre de Vigia por todos os meios, incluindo meios sinuosos, ao mesmo tempo que critica outros movimentos religiosos por terem falta de integridade moral. O mesmo vale para a história (se é que lhe podemos chamar história) incrivelmente distorcida que eles continuam a publicar para os fiéis das Testemunhas. Em 1993 a Watchtower Society of New York [Sociedade Torre de Vigia de Nova Iorque] e a International Bible Students Association [Associação Internacional dos Estudantes da Bíblia] publicaram um livro de 750 páginas intitulado Jehovah's Witnesses: Proclaimers of God's Kingdom [Testemunhas de Jeová: Proclamadores do Reino de Deus]. Segundo o prefácio, 'Os redatores desta obra empenharam-se em ser objetivos e em apresentar uma história cândida.' Mas se eles 'empenharam-se em ser objetivos' -- o que é mais do que duvidoso -- falharam, e o livro Proclamadores está longe de ser 'cândido'.

Em primeiro lugar, está escrito num estilo que torna difícil reunir os vários eventos cronologicamente ou no contexto. Certas ocorrências são discutidas em sítios diferentes do livro em vez de o serem cronologicamente, e dessa forma muitos factos embaraçosos são branqueados. Em segundo lugar, o livro branqueia vários acontecimentos que a Sociedade ignorou durante muito tempo até terem sido trazidos à luz em Apocalypse Delayed [Apocalipse Adiado] e em outras publicações que não são da Torre de Vigia. Em terceiro lugar, várias personagens e acontecimentos historicamente importantes são completamente omitidos. Por exemplo, não há menção do ex-advogado da Torre de Vigia, Olin Moyle, nem do seu bem sucedido processo judicial contra o corpo de directores da Watch Tower Society of Pennsylvania e da Watchtower Society of New York, por estes o terem difamado, apesar do facto de o caso Moyle ter sido central para o estabelecimento das comissões de desassociação, ou judiciais, da Torre de Vigia. É ainda mais curioso que Raymond Franz nunca seja mencionado no livro quando é amplamente conhecido que ele desempenhou um papel central no desenvolvimento do actual corpo governante e foi membro desse grupo durante alguns anos. Talvez não seja tão surpreendente que o livro Proclamadores nunca mencione que dois membros do corpo governante -- Ewart Chitty e Leo Greenlees -- foram obrigados a sair desse concílio por práticas homossexuais continuadas mas nunca foram desassociados.36 Em quarto lugar, o livro Proclamadores repete várias falsidades flagrantes que se tornaram parte da mitologia da Torre de Vigia. O livro argumenta, tal como fizeram muitas publicações da Torre de Vigia no passado, que a razão pela qual o Juiz J. F. Rutherford despediu das suas funções quatro directores da Watch Tower Society em 1917 foi por eles se oporem à publicação do livro The Finished Mystery [O Mistério Consumado], que ele tinha autorizado pessoalmente. De facto, isso é completamente mentira, conforme é claramente mostrado pelas próprias declarações de Rutherford feitas em tribunal, sob juramento, em 1918.37 Igualmente mentirosa é a declaração feita na página 78 do livro Proclamadores. É feito o comentário de que depois de ter falhado a profecia da Sociedade que dizia que os antepassados fiéis de Jesus seriam ressuscitados e o mundo acabaria em 1925, '... a vasta maioria dos Estudantes da Bíblia permaneceu fiel' à Torre de Vigia.38 Ainda mais chocante, contudo, é o livro Proclamadores ainda ignorar o facto de o segundo presidente da Sociedade ter tentado fazer o movimento das Testemunhas cair nas boas graças de Adolf Hitler e dos Nazis em Junho de 1933.39

Não é só no livro Proclamadores que o corpo governante e a Sociedade têm sido desonestos. A revista Awake! [Despertai!] de 22 de Agosto de 1995 tinha na sua capa a pergunta 'O Holocausto: Quem Denunciou?' acima de uma nota que dizia que essa edição estava a ser publicada no '50.º Aniversário da Libertação dos Campos'. Dentro da própria revista, havia vários artigos curtos alegando que as Testemunhas de Jeová foram 'uma voz' que denunciou a opressão Nazi. No entanto, não é dita uma palavra sequer sobre a natureza anti-semita da Declaration of Facts [Declaração de Factos] de 1933, da Sociedade, nem sobre a sua carta aduladora enviada para Hitler ao mesmo tempo.40 Por outro lado, a Despertai! de 22 de Agosto de 1995 continuou a sua política que já dura há muito tempo de atacar outras igrejas pela sua colaboração com o governo de Hitler, e até imprimiu novamente várias imagens anti-católicas lúgubres retiradas das publicações da Torre de Vigia desse período do Terceiro Reich. Neste assunto, os líderes da Torre de Vigia comportam-se como Lord Frollo do filme de desenhos animados da Disney, The Hunchback of Notre Dame [O Corcunda de Notre-Dame] que, segundo o narrador do filme, 'via o mal em todo o lado menos em si mesmo'.

A revista The Watchtower [A Sentinela] de 1.º de Maio de 1996 também apresenta história falsificada similar. Com o objectivo de argumentar que a Sociedade desenvolveu um entendimento cada vez mais progressivo sobre quem eram as 'autoridades superiores' de Romanos 13, a revista faz várias declarações. Na página 13 diz o seguinte: 'Em 1904 o livro The New Creation [A Nova Criação] declarou que os verdadeiros cristãos "deviam estar entre os mais acatadores da lei na época actual -- não agitadores, nem altercadores, nem procurando defeitos." Isto foi entendido por alguns como significando uma submissão total aos poderes actuais, mesmo até ao ponto de aceitarem serviço nas forças armadas durante a Primeira Guerra Mundial.' [Tradução do inglês] Em seguida a revista descreve brevemente a doutrina de 1929 do Juiz Rutherford, segundo a qual Jeová Deus e Cristo Jesus eram as 'autoridades superiores' ou 'poderes superiores' de Romanos 13, em vez dos governos seculares -- uma doutrina que descrevia todas as instituições seculares deste mundo como sendo 'do diabo'. Finalmente, a revista discute o ensino de 1962 da Sociedade sobre as relações com os governos seculares, ao qual se refere como sendo uma doutrina de 'sujeição relativa'.41

Há muitas coisas erradas no artigo em questão. Em primeiro lugar, não existe evidência de que, durante a Primeira Guerra Mundial, os Estudantes da Bíblia acreditassem numa submissão total aos 'poderes actuais'. Houve uma questão sobre até que ponto eles deviam ser obedientes à autoridade secular, mas todos acreditavam no princípio da 'submissão relativa'. Em segundo lugar, a doutrina de Rutherford de 1929 é descrita como sendo de alguma forma positiva. Não existe a admissão de que essa doutrina foi exegese errada, apesar dos seus efeitos, ou de a própria Sociedade a ter ignorado posteriormente. The Watchtower [A Sentinela] declara: 'Olhando para trás, tem de ser dito que este ponto de vista, exaltando, como fez, a supremacia de Jeová e do seu Cristo, ajudou o povo de Deus a manter uma posição neutral sem compromissos através deste período difícil.'42 Em terceiro lugar, The Watchtower [A Sentinela] afirma que a sua doutrina mais recente sobre as 'autoridades superiores' surgiu depois de se completar a New World Translation of the Holy Scriptures [Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas], em 1961. Segundo eles, 'a sua preparação tinha requerido um estudo profundo da linguagem textual das Escrituras. Esta tradução exacta das palavras usadas não só em Romanos capítulo 13 mas também em passagens como Tito 3:2 e 1 Pedro 2:13, 17 tornou evidente que o termo "autoridades superiores" se referia, não à Autoridade Suprema, Jeová, e ao seu Filho, Jesus, mas em vez disso às autoridades governamentais humanas.'43 Mas este relato é completamente enganador. A New World Translation of the Christian Greek Scriptures [Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristãs] tinha sido publicada em 1950, e essa edição continha todas as passagens relevantes discutidas acima. Portanto, se os exegetas da Sociedade tinham empreendido 'um estudo profundo da linguagem textual das Escrituras' a respeito deste assunto, foram incrivelmente lentos. Além disso, a Watch Tower Bible and Tract Society [Sociedade Torre de Vigia de Bíblia e Tratados], a Watchtower Bible and Tract Society Incorporated of New York [Sociedade Torre de Vigia de Bíblia e Tratados de Nova Iorque], a International Bible Students Association [Associação Internacional dos Estudantes da Bíblia], e outras sociedades das Testemunhas continuaram legalmente como corpos incorporados sob governos 'satânicos'. As Testemunhas de Jeová também tinham estado a fazer há vários anos apelações a sistemas judiciais 'satânicos' em todo o mundo democrático. Por isso os líderes e advogados das Testemunhas teriam sido excepcionalmente obtusos se não se tivessem apercebido que, se os corpos legislativos e os tribunais fossem totalmente dominados pelo diabo, então não teriam estado a dar abrigo legal às várias sociedades das Testemunhas, nem teriam decidido casos de tribunal uns atrás dos outros a favor das Testemunhas de Jeová. Por essa razão, é perfeitamente evidente que a mudança doutrinal surgiu mais em resposta a circunstâncias externas do que por estudo abstracto, mas enquanto concílio governante humano da 'organização do Senhor', é difícil para o corpo governante das Testemunhas de Jeová admitir isso. Portanto, embora a actual doutrina sobre as 'autoridades superiores' seja explicada de forma mais concreta do que nos dias de Russell, é essencialmente a mesma que ele enunciou durante a Primeira Guerra Mundial. Porém, se o corpo governante dissesse isso, colocaria em perigo o ensino básico que os seus membros usam para impor mudanças doutrinais à comunidade das Testemunhas -- o conceito de revelação progressiva através do canal da organização de Deus.

O Crescente Estudo Crítico Sobre as Testemunhas de Jeová

Quase desde o início, o movimento dos Estudantes da Bíblia--Testemunhas tem tido críticos severos. No passado, as críticas ao movimento em geral eram feitas principalmente por razões doutrinais, pela sua atitude em relação às responsabilidades cívicas, ou por causa da questão das transfusões de sangue. Embora seja verdade que alguns dissidentes que saíram da Sociedade também censuraram a estrutura de autoridade e as inconsistências da teologia da Torre de Vigia, poucos deles tentaram levar as suas preocupações ao público em geral. A partir de 1980, tudo isso mudou.

Ao longo dos anos, a Sociedade Torre de Vigia tinha conseguido fazer sair muitas pessoas do movimento com pouco ou nenhum dano para si mesma. A única grande excepção foi Olin Moyle. Depois de o seu caso contra os directores da Sociedade ter terminado em 1944, os advogados da Torre de Vigia conseguiram criar uma situação na qual era praticamente impossível ganhar um processo judicial contra a Sociedade ou contra os seus funcionários por difamação, desassociação imprópria, ou disciplina administrada a pessoas consideradas dissidentes ou problemáticas. Quando a Sociedade e os seus lugar-tenentes começaram a tomar acções duras contra várias pessoas hábeis do meio das Testemunhas no fim da década de 1970 e início da década de 1980, desenvolveu-se uma situação inteiramente nova. Em vez de tentarem obter reparação das ofensas primariamente através do sistema legal, muitos destes indivíduos, a quem a Sociedade rotula de 'apóstatas', começaram a levar os seus casos à imprensa pública e aos meios noticiosos. Vários deles começaram a escrever e a publicar livros sobre as suas experiências e sobre as práticas e doutrinas das Testemunhas de Jeová. Alguns formaram uma variedade de ministérios direccionados a ajudar pessoas que deixavam o movimento. Foram realizadas várias conferências e congressos de ex-Testemunhas em toda a América do Norte e Europa, e noutras partes do mundo. Alguns dos ministérios de ex-Testemunhas começaram a publicar jornais [ou periódicos] e revistas. À medida que a Internet se tornou popular, foram formados vários grupos de discussão, e vários sites da Internet foram estabelecidos para avaliar criticamente cada aspecto das doutrinas e práticas das Testemunhas de Jeová. Comentando estes factos, Ray Mattera diz: 'No passado, os líderes das Testemunhas encorajavam a confrontação face-a-face com oponentes. Porém, o devastador criticismo desencadeado contra a Sociedade, especialmente desde 1980, não tem sido direccionado à sua negação de doutrinas como a Trindade ou o inferno de fogo, em vez disso tem sido direccionado ao coração do movimento: a sua eclesiologia. A história da Torre de Vigia, de especulação com base em datas, alteração e mudança de doutrinas, e a estratégia de ocultação de erros, tem sido exposta com o recurso à própria literatura da Torre de Vigia. O efeito é minar a autoridade dos líderes que, conforme argumentei, é o princípio central da religião das Testemunhas. O criticismo é de tal ordem, que os líderes das Testemunhas não têm conseguido responder adequadamente. Por essa razão, os representantes da Torre de Vigia passaram a dizer que a Bíblia proíbe a leitura de matéria "apóstata", isto é, anti-Testemunhas.'44

Embora aqueles que deixaram voluntariamente as Testemunhas ou que foram obrigados a fazê-lo através da desassociação sejam um grupo diversificado e variem desde indivíduos que agora são ateus até aqueles que ainda mantêm muitas das crenças das Testemunhas ou que se juntaram a outras religiões, muitos deles sentem extrema amargura para com o corpo governante, a Sociedade e aqueles que pertencem à congregação das Testemunhas. Em resultado disso, alguns dos ataques que essas pessoas fazem às Testemunhas de Jeová são mal formulados, e por vezes são bastante injustos. Contudo, boa parte do material recentemente publicado que foi elaborado por ex-Testemunhas está bem documentado e satisfaz os cânones da investigação sólida. Isto é particularmente verdade no caso dos trabalhos de Raymond Franz, Carl Olof Jonsson, Rud Persson, e Achille Aveta. O livro Crisis of Conscience [Crise de Consciência], de Franz, foi traduzido para várias línguas e foi actualizado recentemente. Franz também escreveu In Search of Christian Freedom [Em Busca de Liberdade Cristã] (Atlanta: Commentary Press, 1991), um trabalho importante e revelador. Um capítulo deste livro, sobre a posição das Testemunhas de Jeová relativamente ao tratamento médico que envolve sangue, foi traduzido para espanhol. Jonsson tem continuado a trabalhar na cronologia antiga do Médio Oriente e sua relação com o esquema escatológico das Testemunhas, escreveu um suplemento ao seu livro The Gentile Times Reconsidered [Os Tempos dos Gentios Reconsiderados] e está presentemente a actualizar esse trabalho. Em 1987 ele e Rud Persson, que nessa altura escrevia sob o pseudónimo Wolfgang Herbst, publicaram The Sign of the Last Days -- When? [O Sinal dos Últimos Dias -- Quando?] (Atlanta: Commentary Press, 1987), que é uma crítica histórica à posição indefensável das Testemunhas e de vários fundamentalistas, que dizem que as condições mundiais têm estado piores durante o século XX do que em qualquer outro tempo no passado. O trabalho mais importante de Aveta no seu idioma materno, o italiano, é I Testimoni di Geova: un'ideologia che logora [As Testemunhas de Jeová: Uma Ideologia Que Consome] (Roma: Edizioni Dehoniane, 1989). Em co-autoria com Sergio Pollina, ele também publicou I Testimoni di Geova e la politica: martiri o opportunisti? [As Testemunhas de Jeová e a Política: Mártires ou Oportunistas?] (Roma: Edizioni Dehoniane, 1990).

Outro livro de uma ex-Testemunha, publicado há pouco tempo pela Lutterworth Press of Cambridge, Inglaterra, que certamente devia ser classificado como um estudo académico, é Counting the Days to Armageddon: The History of Jehovah's Witnesses Doctrine of the Second Presence of Christ and the Kingdom of God [Contando os Dias Para o Armagedom: A História da Doutrina das Testemunhas de Jeová Sobre a Segunda Presença de Cristo e o Reino de Deus]. Esse livro apresenta em linhas gerais a influência de William Miller e de John Nelson Darby sobre Charles Taze Russell, demonstra a consistência da escatologia de Russell baseada em datas, apesar do seu fracasso, e mostra como a doutrina escatológica da Watch Tower pós-Russell é completamente inconsistente e cheia de contradições internas.

Embora vários autores que no passado foram Testemunhas, como Jerry Bergman, Duane Magnani, David Reed e Randy Watters tenham em geral sido mais polémicos nas suas críticas aos Estudantes da Bíblia/Testemunhas de Jeová, e os últimos três tenham afirmado que as Testemunhas de Jeová são uma seita que controla a mente dos adeptos, as investigações deles contribuíram muito para a compreensão da natureza histórica e contemporânea do movimento das Testemunhas. A bibliografia de Bergman, Jehovah's Witnesses and Kindred Groups [Testemunhas de Jeová e Grupos Aparentados] continua a ser um trabalho valioso, e o seu artigo recentemente publicado, 'Dealing with Jehovah's Witnesses Custody Cases' [Lidando com Casos de Custódia de Filhos de Testemunhas de Jeová], é uma grande contribuição para o estudo das lutas legais mais importantes das Testemunhas na actualidade.45 Várias das publicações de Reed também são importantes fontes de referência e históricas.46 O trabalho mais importante de Magnani tem sido coleccionar, copiar e reproduzir muitas publicações antigas da Torre de Vigia e também colocar algumas dessas publicações em CD-ROMs para computadores -- uma grande contribuição para quem estuda o movimento da Torre de Vigia.47 Watters publica The Free Minds Journal e tem escrito várias obras que são úteis para a compreensão do movimento contemporâneo das Testemunhas. A mais importante destas obras é Thus Saith the Governing Body [Assim Disse o Corpo Governante] (Manhattan Beach, CA: Impressão privada, 1996).48

Fundamental Freedoms and Jehovah's Witnesses [Liberdades Fundamentais e as Testemunhas de Jeová] (Calgary: University of Calgary Press, 1993), de Gary Botting, é um trabalho diferente. É um exame imparcial sobre as contribuições das Testemunhas para as liberdades civis no Canadá, e mostra claramente que uma ex-Testemunha de Jeová pode escrever coisas positivas acerca dos seus anteriores irmãos, contrariamente ao que diz a propaganda da Torre de Vigia.

Investigadores que nunca estiveram associados com as Testemunhas de Jeová também produziram muitos estudos sobre o movimento durante a última década, alguns dos quais têm sido muito significativos. Embora a maioria destes estudos tenham sido na área das relações entre a igreja e o Estado, nem todos foram nessa área. Entre os escritos em inglês estão Crisis of Allegiance: A Study of Dissent Among Jehovah's Witnesses [Crise de Lealdade: Um Estudo da Dissensão Entre as Testemunhas de Jeová] (Burlington, ON: Welsh, 1986) de James A. Beverley; Jehovah's Witnesses: The Millenarian World of the Watch Tower [Testemunhas de Jeová: O Mundo Milenarista da Torre de Vigia] (Nova Iorque e Londres: Garland, 1992) de Melvin D. Curry; State and Salvation: The Jehovah's Witnesses and Their Fight for Civil Rights [O Estado e a Salvação: As Testemunhas de Jeová e a Sua Luta Pelos Direitos Civis] (Toronto: University of Toronto Press, 1989) de William Kaplan; e Armed with the Constitution: Jehovah's Witnesses in Alabama and the U. S. Supreme Court, 1939-1946 [Armados com a Constituição: Testemunhas de Jeová no Alabama e no Supremo Tribunal dos Estados Unidos, 1939-1946] (Tuscaloosa e Londres: University of Alabama Press, 1995) de Merlin Owen Newton. Crisis of Allegiance [Crise de Lealdade], de Beverley, descreve em detalhe a separação de mais de oitenta pessoas de Lethbridge, Alberta, Canadá, das Testemunhas de Jeová em 1980 e 1981. Esse livro descreve com imparcialidade como a Sociedade Torre de Vigia age numa situação dessas, e como as ex-Testemunhas de Alberta contra-atacaram. Curry desenvolve uma tese sociológica interessante em oposição a James Beckford e Rosabeth Moss Kanter, na qual defende que é o milenarismo, e não a manutenção organizacional, o aspecto central da estrutura organizacional das Testemunhas. O estudo de Kaplan apresenta uma avaliação detalhada da perseguição das Testemunhas de Jeová no Canadá e é particularmente forte no seu relato do assunto da saudação à bandeira. Armed with the Constitution [Armados com a Constituição], de Newton, é um olhar simpático sobre o contexto de dois casos importantes que se originaram no Alabama, envolvendo Testemunhas no Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

Trabalhos escritos em outras línguas, importantes para o estudo das Testemunhas, incluem Les Témoins de Jéhovah: Un Siècle d'histoire [As Testemunhas de Jeová: Um Século de História] (Paris: Desclée de Brouwer, 1987) de Bernard Blandre; Les Transactions politiques des croyants: Charismatiques et Témoins de Jéhovah dans le Québec des années 1970 et 1980 [As Relações Políticas dos Crentes: Carismáticos e Testemunhas de Jeová no Québec das décadas 1970 e 1980] (Otava: Les Presses de l'Universite d'Ottawa, 1993) de Pauline Côté; Zwischen Widerstand und Martyrium: Die Zeugen Jehovas im 'Dritten Reich' [Entre a Resistência e o Martírio: As Testemunhas de Jeová no 'Terceiro Reich'] (Munique: R. Oldenbourg Verlag, 1993) de Detlef Garbe; e Falschspieler Gottes: Die Wahrheit über Jehovas Zeugen [A Religião Falsa: A Verdade Sobre as Testemunhas de Jeová] (Hamburgo e Zurique: Rasch und Rohring Verlag, 1985) de Rolf Nobel. O estudo de Blandre é uma análise da história das Testemunhas durante o século XX. O trabalho de Côté é um interessante estudo sociológico sobre as Testemunhas de Jeová e sobre os Cristãos Carismáticos no Québec. Contrasta a conformidade de grupo das Testemunhas com o individualismo dos Carismáticos. O livro de Detlef Garbe é uma revisão da sua tese de doutoramento na University of Hamburg e talvez seja o melhor relato até à data acerca das Testemunhas de Jeová sob o Terceiro Reich. Garbe apresenta uma análise cuidadosa do número de Testemunhas que morreram, seja qual for a causa, às mãos do Estado Nazi. Ele acha, com base em evidência solidamente apresentada, que em vez de 2.000, número tradicionalmente apresentado, apenas morreram cerca de 1.100 ou 1.200 Testemunhas.49 O estudo de Nobel é extremamente importante devido à quantidade de informação que contém. Embora o livro seja bastante polémico, conforme o título indica, e Nobel, um jornalista disfarçado, se tenha feito passar falsamente por uma pessoa interessada em tornar-se Testemunha quando estudou com elas, Falschspieler Gottes revela alguns factos importantes sobre as Testemunhas de Jeová na Europa da Segunda Guerra Mundial. Entre outra informação que não é do conhecimento geral no mundo de língua inglesa e que Nobel revela, está o facto de Erich Frost -- superintendente da filial da Watch Tower na Alemanha Ocidental depois da Segunda Guerra Mundial, durante muitos anos -- ter traído alguns dos seus irmãos à Gestapo durante o período Nazi50 e a Sociedade das Testemunhas de Jeová na Suíça ter publicado uma declaração na edição alemã da revista Consolation [Consolação] dizendo que as Testemunhas não viam nada de errado em realizar o serviço militar e que muitas tinham feito isso.51

Uma coisa que é notável em todos estes trabalhos 'não-apóstatas' e em muitos outros é que eles citam e mencionam repetidamente os trabalhos de investigadores ex-Testemunhas. Contrariamente ao que acontecia no passado, até mesmo autores evangélicos começaram a dar mais atenção a vários trabalhos de ex-Testemunhas, independentemente das orientações religiosas dos seus autores, e estão a obter gradualmente uma compreensão mais sofisticada do movimento das Testemunhas. Isto é particularmente verdade no caso de alguém como Ruth A. Tucker, cujo capítulo acerca das Testemunhas de Jeová no seu livro Another Gospel: Cults, Alternative Religions and the New Age Movement [Outro Evangelho: Seitas, Religiões Alternativas e o Movimento da Nova Era] (Grand Rapids: Zondervan, 1989) é muito superior à maioria dos outros livros e artigos produzidos por críticos católicos ou protestantes do movimento da Torre de Vigia. Por isso, agora é quase impossível as Testemunhas de Jeová lerem uma publicação que não é da Torre de Vigia, ou até mesmo artigos em enciclopédias sobre elas, sem se depararem com os nomes e trabalhos de pessoas a quem a Sociedade Torre de Vigia chama 'apóstatas'.

A Resposta da Torre de Vigia aos 'Apóstatas'

A Sociedade Torre de Vigia tem-se tornado histérica nos seus ataques aos 'apóstatas'. Na última versão do CD-ROM Watchtower Library, da Sociedade, que inclui muitas das publicações do movimento desde 1950 até ao presente, existem 575 referências a 'apóstatas', a maioria das quais se encontram em publicações imprimidas depois de 1980. É perfeitamente evidente que os líderes das Testemunhas têm um medo extremo do efeito que podem ter, e estão de facto a ter, ex-membros críticos sobre a comunidade das Testemunhas. Em resultado disso, a Sociedade fez tudo o que era possível para isolar as Testemunhas de Jeová dos 'apóstatas'. Em vez de tentar refutar as alegações que ex-Testemunhas fizeram contra as doutrinas e práticas da Torre de Vigia, a Sociedade desencadeou uma campanha de ódio contra elas.

Citações da Watchtower [Sentinela] ilustram isto claramente. Num artigo intitulado '"Esquadrinha-me, ó Deus"', a Watchtower [Sentinela] de 1.º de Outubro de 1993 (p. 19) diz:

Sobre estes [pessoas que odeiam Jeová], o salmista disse: "Acaso não odeio os que te odeiam intensamente, ó Jeová, e não tenho aversão aos que se revoltam contra ti? Odeio-os com ódio consumado. Tornaram-se para mim verdadeiros inimigos." (Salmo 139:21, 22) Foi por odiarem intensamente a Jeová que Davi os encarava com repugnância. Os apóstatas estão incluídos entre os que mostram seu ódio por Jeová por se revoltarem contra ele. A apostasia é, na realidade, uma rebelião contra Jeová. Alguns apóstatas professam conhecer e servir a Deus, mas rejeitam ensinos ou requisitos delineados na Sua Palavra. Outros afirmam crer na Bíblia, mas rejeitam a organização de Jeová e tentam ativamente obstaculizar a sua obra. Quando eles deliberadamente escolhem tal maldade depois de conhecerem o que é correto, quando o mal se torna tão entranhado que se torna parte inseparável de sua constituição, o cristão precisa odiar (no sentido bíblico da palavra) os que se agarraram inseparavelmente à maldade. Os cristãos verdadeiros compartilham dos sentimentos de Jeová para com tais apóstatas; não são curiosos a respeito das idéias dos apóstatas. Ao contrário, 'sentem aversão' para com os que se fazem inimigos de Deus, mas deixam que Jeová execute a vingança. -- Jó 13:16; Romanos 12:19; 2 João 9, 10.

No artigo 'À Mesa de Quem Se Está Alimentando?', a Watchtower [Sentinela] de 1.º de Julho de 1994 (pp. 11 e 12) declara: 'O alimento na mesa dos demônios é venenoso. Por exemplo, considere o alimento fornecido pela classe do escravo mau e pelos apóstatas. Não é nutritivo nem edificante; não é sadio. Não pode ser, porque os apóstatas deixaram de se alimentar à mesa de Jeová. Em resultado disso, desapareceu tudo o que possam ter desenvolvido como nova personalidade. Não é o espírito santo que os motiva, mas uma amargura mordaz. Estão obcecados por um único objetivo: espancar seus anteriores co-escravos, conforme Jesus predisse. -- Mateus 24:48, 49.' Depois de citarem C. T. Russell dizendo que aqueles que se tinham afastado dele e da Sociedade Torre de Vigia em resultado no Cisma do Novo Pacto pareciam estar 'contaminados com demência, com hidrofobia satânica', a revista proclamou:

Sim, os apóstatas divulgam publicações que recorrem a distorções, meias-verdades e rematadas falsidades. Até mesmo fazem piquetes em congressos das Testemunhas, tentando enlaçar os incautos. Por isso, seria perigoso deixar que a nossa curiosidade nos induzisse a nos alimentarmos com escritos assim ou a escutarmos seus ultrajes! Embora talvez não consideremos isso um risco para nós mesmos, o perigo continua. Por quê? Em primeiro lugar, algumas das publicações dos apóstatas apresentam falsidades por meio de "conversa suave" e "palavras simuladas". (Romanos 16:17, 18; 2 Pedro 2:3) Não é isso o que esperaria receber na mesa dos demônios? E embora os apóstatas talvez apresentem também certos fatos, usualmente os tiram do contexto, com o objetivo de desviar outros da mesa de Jeová. Todos os seus escritos simplesmente criticam e rebaixam! Nada é edificante.

Jesus disse: "Pelos seus frutos os reconhecereis." (Mateus 7:16) Então, quais são os frutos dos apóstatas e das suas publicações? Há quatro coisas que distinguem a sua propaganda. (1) Esperteza. Efésios 4:14 diz que eles usam de "astúcia em maquinar o erro". (2) Inteligência arrogante. (3) Falta de amor. (4) Diversas formas de desonestidade. Estes são justamente os mesmos ingredientes do alimento existente na mesa dos demônios, todos destinados a minar a fé do povo de Jeová.

Diatribes deste género nunca são fundamentadas com exemplos concretos, e a Sociedade nunca tenta contrariar as afirmações dos 'apóstatas' com argumentação directa. No passado, a Sociedade Torre de Vigia pediu às pessoas que não são Testemunhas e, por extensão, às Testemunhas de Jeová, que examinassem a sua religião livremente. Por exemplo, em 1968 o livro principal da Sociedade para potenciais convertidos, The Truth that Leads to Eternal Life [A Verdade Que Conduz à Vida Eterna] declarou na página 13: 'Precisamos examinar não só o que nós mesmos cremos, mas também o que é ensinado pela organização religiosa com que talvez nos associemos. Estão os seus ensinos em plena harmonia com a Palavra de Deus ou baseiam-se em tradições de homens? Se amarmos a verdade, não precisamos temer tal exame.' Evidentemente, isso já não é verdade hoje: as Testemunhas de Jeová agora precisam de ter medo do que os 'apóstatas' dizem e escrevem.

Com o objectivo de manter as Testemunhas afastadas dos 'apóstatas' e dos 'ensinos apóstatas', a Sociedade continua a tomar outras medidas. Ela não abrandou a sua campanha para desassociar toda e qualquer pessoa que mostre sinais de dissidência, e quando indivíduos são trazidos perante comissões judicativas das Testemunhas, fazem-lhes quase invariavelmente a pergunta: 'Aceita a Sociedade Torre de Vigia como o canal de comunicação de Deus com os cristãos fiéis?', ou algo similar. A menos que a pessoa responda a essa pergunta sem reservas, ele ou ela sofrerá quase automaticamente a excomunhão e ostracização, o que por vezes resulta em trauma pessoal, alienação da família, divórcio, colapso emocional, perda do emprego, e até suicídio. Conhecendo as possíveis consequências legais de tais desassociações, a Sociedade tem tentado distanciar-se de quaisquer eventuais processos judiciais, fazendo com que os anciãos das congregações locais os enfrentem se eles surgirem. Numa carta pessoal que me enviou em Junho de 1996, um ex-ancião que deseja continuar anónimo para evitar ser expulso da comunidade das Testemunhas, diz:

A Sociedade só faz as regras que os anciãos têm de seguir e mantém os registos. A Sociedade tem sido muito cuidadosa para não se envolver demasiado em casos individuais. Em várias ocasiões quando eu era ancião, nós contactámos a Sociedade em casos judicativos. Nem sequer uma vez recebemos o que eu consideraria um resposta directa. Eles indicavam alguns textos que se aplicavam vagamente e depois diziam-nos para tomarmos a decisão.

Isto foi enfatizado na última Escola do Ministério do Reino para anciãos que foi realizada há um ano... Foi ordenado aos anciãos que escrevessem isto no seu livro 'Pay Attention' [Prestai Atenção]. Foi repetido duas vezes para se certificarem de que toda a gente tinha compreendido palavra por palavra. Os formulários S-77 e S-79 são os formulários que os anciãos usam para relatar uma desassociação à Sociedade.

Seis expressões que não devem ser usadas nos formulários S-77 e S-79: (1) Qualquer coisa que faça alusão a, ou mencione o nome de um dos advogados da Sociedade, (2) qualquer menção do Departamento Legal [da Sociedade Torre de Vigia], (3) quaisquer comentários que se refiram a uma orientação recebida da Sociedade, (4) quaisquer comentários que mencionem alguém, além da própria comissão, como possível influência sobre a decisão a que se chegou, (5) qualquer comentário que sugira à alguém com olhos críticos que a comissão não chegou sozinha a sua decisão, mas que, em vez disso, de alguma forma cedeu a influência de alguém de fora, e (6) quaisquer comentários que indiquem que os anciãos cuidaram erroneamente do caso ou cometeram qualquer erro na investigação ou no processo da comissão judicativa.'

Como os contactos familiares são frequentemente o meio mais importante através do qual as Testemunhas de Jeová recebem o que a Sociedade considera ideias apóstatas, a proibição contra [contactos com] familiares desassociados ou 'dissociados' tem sido mantida em vigor, pelo menos publicamente. A Sociedade ainda declara que não deve haver qualquer relacionamento [ou confraternização] espiritual com tais pessoas, e a maioria das Testemunhas ainda são levadas a acreditar que devem evitar os seus familiares, incluindo pais e filhos adultos. Embora o manual da Escola do Ministério do Reino para anciãos designados da Sociedade Torre de Vigia, 'Pay Attention to Yourselves and to All the Flock' [Prestai Atenção a Vós Mesmos e a Todo o Rebanho], que foi publicado em 1991, indique que normalmente uma Testemunha de Jeová não deve ser desassociada por se associar com um familiar desassociado a menos que ele ou ela tenha associação [ou confraternização] espiritual com esse familiar ou justifique ou tente desculpar o seu modo de proceder,52 a maioria das Testemunhas de Jeová não sabem isto. O livro Rebanho, que dedica mais de setenta páginas àquilo que na prática é o cânon de leis da Sociedade e que avisa que os apóstatas podem contaminar a congregação como gangrena, tem um aviso severo impresso na página de título inicial dizendo que o livro pertence à congregação e tem de ser devolvido à comissão de serviço da congregação quando a pessoa deixa de servir como ancião. Não se podem fazer cópias de qualquer parte do livro. Por isso muitas Testemunhas de Jeová, não estando por dentro dos 'assuntos dos anciãos', não sabem que se podem associar com familiares, pelo menos numa base familiar regular.

Foram tomadas outras acções para combater a avaliação e criticismo constante do registo e práticas da Torre de Vigia. A Sociedade tem aconselhado as Testemunhas a recusarem convites para ir à rádio ou à televisão quando surge qualquer assunto controverso que envolve a sua fé.53 A Sociedade tem reduzido a publicidade sobre os congressos e outras actividades.54 Tem avisado as Testemunhas para não lerem publicações escritas por 'apóstatas',55 em tem-lhes pedido para evitarem sites da Internet e grupos de chat [conversa on-line] que são negativos para com a mensagem da Torre de Vigia.56 A Sociedade também se tem mostrado disposta a fazer ataques pessoais aos seus críticos57 e a interferir com o trabalho académico de ex-Testemunhas.58

Infelizmente para a Sociedade Torre de Vigia, as suas actividades anti-apóstatas muitas vezes têm o efeito contrário ao pretendido. As Testemunhas de Jeová e a própria Sociedade defrontam-se com uma incidência crescente de litígios. Nos Estados Unidos, no Canadá e em vários outros países, tem aumentado muito o número de casos de custódia de crianças envolvendo casais em que um dos cônjuges é Testemunha de Jeová e o outro não, ou é uma ex-Testemunha,59 muitas vezes com resultados negativos para as Testemunhas. Mais séria tem sido a acção legal tomada contra a Sociedade por um certo número de indivíduos que anteriormente trabalharam nos escritórios e na tipografia alemã da Torre de Vigia. Durante anos a Sociedade não pagou qualquer tipo de impostos para fundos de aposentação relativos aos seus trabalhadores Testemunhas, com base no argumento de que eles não precisariam de aposentação depois do Armagedom. Em consequência da acção judicial dos seus ex-trabalhadores, a filial alemã da Torre de Vigia agora tem de pagar impostos relativos a serviços prestados no passado, e também tem de pagar para fundos de pensões dos que actualmente são seus trabalhadores, a um custo considerável.60 Além disso, certos governos democráticos começaram a examinar, frequentemente com algum antagonismo, as actividades da Sociedade no que diz respeito ao tratamento que é dispensado aos ex-membros. Isto tem acontecido particularmente no Canadá61 e na Dinamarca.62

O facto de as Testemunhas de Jeová serem rotuladas como seita por vários 'ministérios' também está a ter impacto. Embora as Testemunhas estejam suficientemente bem estabelecidas para serem grandemente afectadas por essa propaganda na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia, a situação é diferente num país como o Japão. Recentemente tem havido relatos na Internet sobre a desprogramação forçada de convertidos das Testemunhas nesse país, geralmente por ordem de membros da família.

Por fim, à medida que as Testemunhas se expandem no chamado mundo em vias de desenvolvimento a uma taxa muito mais rápida do que nas nações industrializadas, a Torre de Vigia pode muito bem começar a sentir problemas financeiros. A maior parte do dinheiro que a Sociedade usa para financiar o seu império editorial vem do mundo desenvolvido, e se o crescimento na Europa e na América do Norte continuar a abrandar, como tem acontecido em anos recentes, a Sociedade terá de pressionar mais fortemente para obter os fundos necessários para prosseguir as suas actividades. A Sociedade já começou a agir mais e mais como outras religiões ao solicitar fundos aos seus aderentes apesar do facto de, ao fazer isso, estar a violar uma tradição de longa data dos Estudantes da Bíblia/Testemunhas de Jeová.

O Futuro das Testemunhas de Jeová

Qual é o significado de tudo isto para as Testemunhas de Jeová e o que o futuro lhes parece reservar? É difícil acreditar que eles mudarão dramaticamente a curto prazo, embora já tenham acontecido coisas mais estranhas. Em muitos sentidos eles são como a Igreja Católica antes do Concílio Ecuménico Vaticano II, ou a União Soviética antes da era Gorbachev. Tal como essas duas entidades, as Testemunhas são governadas por uma hierarquia centralizada que está comprometida com as políticas tradicionais do movimento. Falando da liderança das Testemunhas, Raymond Franz diz:

Se o passado serve de indicação, a direcção tomada por aqueles membros mais influentes seguirá uma linha conservadora, resistindo a qualquer caminho ou recomendação que não sustente ou promova os ensinos, métodos e políticas tradicionais agora em vigor. O que tem sido publicado e feito nos últimos anos não dá qualquer base para esperar o tipo de 'reforma' que alguns acham que tem de acontecer. É verdade que apenas um membro do Corpo Governante (Gerrit Loesch, recentemente designado) tem menos de 70 anos, e as idades dos outros variam entre 70 e 90 anos. Contudo, novos substitutos precisam de ter a aprovação dos restantes membros e, em particular, dos que têm uma influência dominante. Não há dúvida de que se está a tornar cada vez mais difícil encontrar candidatos 'apropriados' para ser membros do Corpo, devido ao cada vez menor número de homens 'ungidos'. No futuro isto pode obrigar o Corpo Governante a abandonar o requisito fundamental de a admissão de novos membros estar aberta apenas para os da classe dos ungidos. Isso seria difícil de harmonizar com a sua doutrina sobre o estatuto privilegiado da 'classe do escravo fiel e discreto', e pode ser adiado tanto quanto possível. Eles podem ser ajudados pelo facto de, periodicamente, membros mais jovens da organização decidirem que são 'dos ungidos' e assim tornarem-se candidatos potenciais para membros do Corpo.63

Franz também está pessimista sobre a possibilidade de grandes 'reformas' no interior da comunidade das Testemunhas em resultado de mudanças no topo. Ele declara: 'Um grande erro em esperar reformas provocadas por mudanças no pessoal está, em minha opinião, em pensar que a situação se deve aos homens no poder. Só num sentido secundário é esse o caso. Primariamente, não são os homens. É o conceito que controla, a premissa sobre a qual todo o movimento está fundado.'64 Este é um ponto discutível. O conceito primário, 'o conceito que controla', é a necessidade de manter intacta a organização Torre de Vigia, e se se tornar necessário reformar para salvar a organização, essa reforma sem dúvida ocorrerá. As lideranças da Igreja Católica e da União Soviética estavam exactamente tão comprometidas ideologicamente com o passado e com a manutenção institucional como está a liderança das Testemunhas de Jeová. No entanto, ninguém pode negar que o Papa João XXIII e Mikhail Gorbachev -- dois homens que tinham sido criados pelos seus sistemas respectivos -- foram responsáveis pela introdução de grandes mudanças nas instituições e comunidades que governaram. Um movimento religioso americano que certamente estava tão obstinado doutrinal e organizacionalmente como as Testemunhas, a Worldwide Church of God [Igreja Mundial de Deus], também passou recentemente por reformas amplas e dramáticas em resultado de uma mudança na sua liderança.65 Portanto, é errado menosprezar a possibilidade de mudança a partir do topo no interior das Testemunhas de Jeová. Mas a probabilidade é que, quando essa mudança ocorrer, será gradual e em resultado de pressões provenientes do 'mundo', de críticas 'apóstatas' ao corpo governante e à Sociedade, e da comunidade das Testemunhas em geral.

Há um ensino da Torre de Vigia que poderia causar um sério problema às Testemunhas e poderia provocar uma grande mudança. Embora a grande tribulação e o Armagedom tenham sido adiados para o futuro indefinido, o corpo governante continua a ter um sério problema com a sua escatologia. Se a tribulação não ocorrer razoavelmente em breve, a doutrina da Sociedade Torre de Vigia sobre a esperança terrestre para a vasta maioria das Testemunhas de Jeová provar-se-á falsa. Segundo Revelação 7:14, a 'grande multidão' é constituída por aqueles que sairão da grande tribulação. E segundo os ensinos da Torre de Vigia, essas pessoas começaram a ser identificadas como presentes em associação com as Testemunhas de Jeová a partir de 1932. Portanto os mais jovens desse pequeno grupo de pessoas que foram identificadas num congresso da Torre de Vigia em Washington, D.C., em 31 de Maio de 1935, são pessoas que estão agora com setenta ou oitenta anos.66 O tempo está-se a esgotar para essas Testemunhas de Jeová, e tem o potencial de afectar adversamente centenas de milhares de outras Testemunhas dentro dos próximos dez ou vinte anos. Talvez seja usada uma 'reinterpretação', ou melhor dizendo, um malabarismo doutrinal, para resolver este problema, tal como aconteceu com a doutrina, mantida durante muito tempo, sobre 'esta geração'. Mas é difícil ver como isto pode ser feito se o apocalipse for adiado durante demasiado tempo.

À medida que as Testemunhas vêem o tempo passar sem o cumprimento das suas esperanças de novos céus e uma nova terra, sem dúvida elas começarão a estabelecer-se como uma comunidade mais estável, menos adversa em relação ao mundo, tal como aconteceu com a igreja primitiva quando a segunda vinda de Cristo foi adiada. Isso significará que a Sociedade já não poderá mais impor as suas normas tão severamente às Testemunhas de Jeová, tal como o Vaticano agora não pode impor as suas regras à vasta maioria dos Católicos. De facto, já há sinais de que isto está a acontecer, especialmente em culturas onde as ordens ao estilo americano da Torre de Vigia são encaradas como demasiado severas.

A cortina de ferro espiritual da Sociedade está a começar a ruir. A Sociedade já não pode impedir muitas Testemunhas de ler livros e outras publicações produzidas tanto por ex-Testemunhas de Jeová como por outros que fazem um ataque cerrado à Sociedade. Nem pode impedir que as Testemunhas no mundo industrializado leiam informação similar na Internet. Além disso, a Sociedade está a ser minada por um crescente movimento subterrâneo no interior da comunidade das Testemunhas, que coopera com os chamados apóstatas na obtenção de informação, às vezes da própria sede da Sociedade, para ajudar a denunciar as doutrinas e actividades desta. O futuro para as Testemunhas de Jeová tal como existem hoje -- apesar do crescimento contínuo -- não parece brilhante. A longo prazo elas terão de mudar e moderar-se para sobreviver, e isso provavelmente significará que elas vão estabelecer-se para se tornarem apenas mais uma denominação entre denominações.


Notas

1 WT, 1.º de Janeiro de 1987, p. 13; 1.º de Janeiro de 1996, p. 15.

2 WT, 1.º de Janeiro de 1996, p. 12.

3 Com aproximadamente o mesmo número de publicadores, as Testemunhas japonesas têm mais do dobro do número de estudos bíblicos domiciliares com potenciais conversos do que as Testemunhas italianas. Ibid, p. 13.

4 Ibid, pp. 14, 15.

5 Anuário de 1991, pp. 35-37. Veja também as páginas 102-103, 328 nota 20.

6 Um comunicado de imprensa da Amnistia Internacional (229/95) colocado na Internet e datado de 22 de Novembro de 1995 dá os detalhes das detenções, multas e aprisionamentos das Testemunhas de Singapura. O comunicado diz em parte: '"As Testemunhas de Jeová deviam ser autorizadas a reunir-se e a praticar pacificamente a sua religião sem a ameaça de detenção ou aprisionamento. A liberdade de religião é um direito fundamental que é garantido pela Constituição de Singapura," disse hoje a Amnistia Internacional.'

O U.S. News and World Report de 2 de Maio de 1996 relatou a recusa dos apelos das Testemunhas de Singapura e observou que o juiz presidente Yong Pung How 'criticou repetidamente os argumentos do advogado de defesa W. Glen How, do Canadá.' U.S. News and World Report também declarou: 'Mostrando irritação crescente, Yong interrompeu How duas vezes com o comentário: "Você está louco!" O juiz mais tarde perguntou ao canadiano: "Você está medicamente bem, Sr. How? Você está a delirar."'

7 O crescimento nestes países recentemente tem sido entre 2 e 3 porcento ao ano. Por exemplo, em 1994 o crescimento das Testemunhas esteve dramaticamente baixo na maioria dos países do G-7, as sete nações mais industrializadas do mundo. A França e a Alemanha tiveram aumentos de 1%. A Grã-Bretanha e o Canadá, 2%; e a Itália e os Estados Unidos, 3%. O Japão teve, de longe, o maior crescimento, com um aumento de 6%. De facto, as Testemunhas de Jeová em geral estão apenas a manter-se ligeiramente à frente do crescimento normal da população através dos nascimentos e da imigração na maioria dos países industrializados. Nos países desenvolvidos do Ocidente, muitos novos convertidos das Testemunhas vêm dos grupos de imigrantes recentes. Por isso, a população nativa dessas terras está a rejeitar mais a mensagem das Testemunhas do que no passado.

8 WT, 1.º de Abril de 1994, pp. 16-17. É verdade que alguns dos desassociados são readmitidos mais tarde.

9 Se tomarmos o número dos desassociados mais o número dos que se dissociam voluntariamente do movimento quer formal quer informalmente, a perda de membros das Testemunhas de Jeová é muito provavelmente superior a 1% ao ano.

10 Para detalhes completos sobre este desenvolvimento, veja o artigo 'Jehovah's Provision, the "Given Ones"' [A Provisão de Jeová, os "Dados"], na The Watchtower [A Sentinela] de 15 de Abril de 1992, pp. 12-17. A terminologia é retirada do livro de Esdras.

11 Páginas 18, 19-20.

12 Ibid.

13 Veja a página 275.

14 Houve muitos casos de custódia de crianças envolvendo pais Testemunhas de Jeová e não-Testemunhas ou ex-Testemunhas nos Estados Unidos e no Canadá. Nos Estados Unidos, ex-Testemunhas como Duane Magnani e Jerry Bergman têm estado activos como testemunhas especialistas no apoio a pais não-Testemunhas e ex-Testemunhas. Magnani e Bergman têm tentado mostrar que os pais Testemunhas são treinados pelos advogados da Watch Tower a negar declarações que foram feitas na brochura School and Jehovah's Witnesses [A Escola e as Testemunhas de Jeová]. Para mais detalhes a respeito destes casos de custódia, veja a nota 59, adiante.

15 Página 31.

16 WT, 15 de março de 1993, p. 32.

17 Raymond Franz, Crisis of Conscience [Crise de Consciência] (Atlanta: Commentary Press, 1992, 1994), p. 392. Embora a segunda edição de Crisis of Conscience tenha sido publicada em 1992, Raymond Franz depois disso actualizou-a para a segunda impressão.

18 Parece não existir biografia de Henschel na literatura da Watch Tower ou em qualquer outro lado. O que se sabe acerca dele é que serviu como secretário particular de N. H. Knorr e que tem sido um orador frequente na escola missionária de Gileade da Watch Tower e nos escritórios das filiais no estrangeiro.

19 Franz, Crisis of Conscience [Crise de Consciência], p. 394.

20 Ibid, pp. 389-390.

21 WT, 15 de Outubro de 1995, pp. 24-27.

22 WT, 1.º de Novembro de 1995, pp. 18, 19.

23 Página 20.

24 James A. Beckford, The Trumpet of Prophecy: A Sociological Study of Jehovah's Witnesses [A Trombeta da Profecia: Um Estudo Sociológico das Testemunhas de Jeová] (Nova Iorque: John Wiley and Sons, 1975), p. 170.

25 Isto aconteceu em particular no caso do Bible Research and Commentary International que tem uma linha telefónica de ajuda para as Testemunhas de Jeová, que pode ser contactada nos Estados Unidos e no Canadá ligando para o número 1-800-WHY-1914. Contudo, outros ministérios também indicaram muitos contactos com Testemunhas de Jeová desiludidas devido à modificação da doutrina da Torre de Vigia. Para mais informação, veja BRCI Quarterly, edições do Inverno, Primavera e Verão de 1996. Cópias dessa publicação podem ser obtidas escrevendo para Biblical Research and Commentary International, Inc., 1207 Marston Avenue, Gadsden, AL, 35904-1403 U.S.A.

26 Raymond Franz acredita que mudanças na administração não trarão grandes reformas à Sociedade Torre de Vigia ou às Testemunhas de Jeová. Veja os seus comentários sobre este assunto nas páginas 333-334, acima.

27 WT, 15 de Março de 1983, pp. 30-31. Deve notar-se que uma mudança em relação à posição anterior da Sociedade sobre a porneia (fornicação) é que mulheres casadas já não se podem divorciar dos seus esposos por se envolverem em sexo oral ou anal com elas. Isto provavelmente explica porque o assunto não tem sido tão importante como foi no passado.

28 O número de mudanças num sentido e noutro que a Sociedade Torre de Vigia fez neste assunto chega a ser cómico. Na Zion's Watch Tower [Torre de Vigia de Sião] de Julho de 1879 (p. 8), C. T. Russell defendeu que os homens de Sodoma e Gomorra seriam ressuscitados. Esta posição continuou a ser defendida até 1952, quando a edição de 1.º de Junho da Watchtower defendeu que eles não seriam ressuscitados. Treze anos mais tarde, a Watchtower de 1.º de Agosto de 1965 afirmou que seriam ressuscitados. Publicadas pela primeira vez em 1982, as primeiras edições do livro You Can Live Forever in Paradise on Earth [Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra] afirmaram essa posição (p. 179), tal como fez também o volume 2 do dicionário bíblico da Sociedade, Insight on the Scriptures (p. 985). Em 1988, The Watchtower [A Sentinela] de 1.º de Junho decidiu novamente que eles não seriam ressuscitados. Consequentemente, o livro Revelation -- Its Grand Climax at Hand [Revelação -- Seu Grandioso Clímax Está Próximo] tomou a mesma posição, e Our Kingdom Ministry [Nosso Ministério do Reino, edição dos Estados Unidos] de Dezembro de 1989 declarou: 'Serão feitos alguns ajustes em futuras edições do livro Live Forever [Viver Para Sempre]. A única mudança significativa é a respeito dos sodomitas, nas páginas 178 e 179. Esta mudança apareceu no livro Revelation [Revelação], página 273, e na The Watchtower [A Sentinela] de 1.º de Junho de 1988, páginas 30, 31. Você poderá desejar tomar nota disso nas edições anteriores que tem à mão.' Estou em dívida para com David Reed, Steve Huntoon e John Cornell por terem indexado estas mudanças em David A. Reed, ed., Index of Watch Tower Errors [Índice de Erros da Torre de Vigia] (Grand Rapids: Baker Book House, 1990), p. 116.

Será que a linha dura da Sociedade contra os sodomitas e os seus vizinhos de Gomorra mortos há muito tempo tem alguma coisa a ver com o facto de dois 'sodomitas' terem sido expulsos do corpo governante em décadas recentes?

29 Franz, Crisis of Conscience [Crise de Consciência], p. 397. Dois membros do corpo governante morreram depois do falecimento de Frederick Franz. Foram George Gangas, que morreu com a idade de 98 anos em 28 de Julho de 1994 e John Booth, que morreu com a idade de 93 anos em 8 de Janeiro de 1996. [N. do T.: Lloyd Barry morreu em 2 de Julho de 1999.]

30 Jimmy Swaggart Ministries v. Board of Equalization of California 110 S. Ct. 688.

31 Comments from the Friends [Comentários dos Amigos] 9:3 (Verão de 1990), pp. 3-4. [N. do T.: Suponho que deve haver aqui um engano na data da carta de 21 de Fevereiro de 1990.]

32 22 de Fevereiro de 1990, p. 1.

33 Comments from the Friends [Comentários dos Amigos] 9:3 (Verão de 1990), p. 4.

34 WT, 1.º de Janeiro de 1990, p. 7; 1990 Yearbook [Anuário de 1990], p. 10.

35 Franz, Crisis of Conscience [Crise de Consciência], pp. 365-366.

36 O Anuário das Testemunhas de Jeová de 1980 (p. 257) disse laconicamente que 'No ano passado, Ewart C. Chitty deixou o cargo, de modo que atualmente há 17 membros neste corpo' governante. Quando Leo Greenlees foi expulso do cargo, não apareceu qualquer declaração nas publicações da Sociedade. O nome de Greenlees simplesmente desapareceu das publicações da Torre de Vigia depois de 1984. A única declaração da Torre de Vigia que pode ser considerada uma alusão a homossexualidade da parte de membros do corpo governante é um comentário breve que aparece na Watchtower [Sentinela] de 1.º de Janeiro de 1986 (p. 13) que diz: 'Embora seja chocante, mesmo alguns que foram proeminentes na organização de Jeová sucumbiram a práticas imorais, incluindo homossexualidade, troca de esposas e molestação de crianças.' [Tradução do inglês] Ainda assim, os factos que rodeiam a expulsão tanto de Chitty como de Greenlees são bem conhecidos entre anteriores trabalhadores do Betel da sede da Watch Tower e entre muitos outros. Greenlees contactou algumas ex-Testemunhas de Jeová pessoalmente depois de ter sido exilado de Brooklyn.

A falta de candura da Sociedade a respeito de Chitty e de Greenlees levou muitas Testemunhas de Jeová a supor erradamente que o comentário da Watchtower [Sentinela] de 1.º de Janeiro de 1986 se referia a Raymond Franz e a outros 'apóstatas'. Seja dito em abono de Franz que ele nunca quis expor Chitty nem Greenlees pelos seus 'pecados', mas como ele e outros associados ex-Testemunhas são agora o alvo das insinuações das Testemunhas de Jeová a respeito da homossexualidade, os factos precisam de ser conhecidos.

37 Rutherford et al. v. The United States, Transcript of Record [Transcrição do Registo], I:981-982 em 2943-2945.

38 As próprias estatísticas da Sociedade mostram que isso é falso. Veja o gráfico sobre a assistência ao Memorial durante a década de 1920 na página 61.

39 Veja as páginas 147-149.

40 Depois da publicação da Awake! [Despertai!] de 22 de Agosto de 1995, eu coloquei cópias da Declaration of Facts [Declaração de Factos] tanto em inglês como em alemão e uma cópia da carta que a Sociedade enviou a Hitler, junto com uma tradução para inglês, no Holocaust Museum [Museu do Holocausto] em Washington, D.C., onde estes documentos podem ser vistos e lidos pelo público.

41 Para uma visão geral sobre as doutrinas da Watch Tower a respeito das autoridades seculares, veja M. James Penton, 'Jehovah's Witnesses and the Secular State: A Historical Analysis of Doctrine' [As Testemunhas de Jeová e o Estado Secular: Uma Análise Histórica da Doutrina], Journal of Church and State 21:1 (1979), pp. 55-72.

42 WT, 1.º de Maio de 1996, p. 14. [Tradução do inglês]

43 Ibid. [Tradução do inglês]

44 Citado, com a permissão do autor, de um artigo agora em preparação para publicação, intitulado 'Theology and Art in a Sectarian Community' [Teologia e Arte numa Comunidade Sectária].

45 Creighton Law Review, 29:4 (Junho 1996), 1483-1516. Bergman também publicou recentemente um artigo importante, 'The Jehovah's Witnesses' Experience in the Nazi Concentration Camps: A History of their Conflict with the Nazi State' [A Experiência das Testemunhas de Jeová nos Campos de Concentração Nazis: Uma História dos seus Conflitos com o Estado Nazi], no Journal of Church and State, 38:1 (1996), pp. 87-113.

46 Estas incluem David A. Reed, ed., Index of Watch Tower Errors [Índice de Erros da Torre de Vigia] e Jehovah's Witnesses Literature: A Critical Guide to Watchtower Publications [Literatura das Testemunhas de Jeová: Um Guia Crítico para as Publicações da Torre de Vigia] (Grand Rapids: Baker Book House, 1993). Ainda não pude examinar o trabalho mais recente de Reed, Blood on the Altar [Sangue no Altar] (Amherst, NY: Prometheus, 1996).

47 O trabalho de Magnani tem sido feito através da Witness Incorporated.

48 Este livro e as outras publicações de Watters podem ser obtidas a partir de Box 3818, Manhattan Beach, CA 90266 U.S.A. [N. do T.: O livro também está disponível em espanhol: Lo Que Ha Dicho... El Cuerpo Gobernante de los Testigos de Jehova.]

49 Páginas 479-488.

50 Nobel apresenta esta informação e fotocópias de registos da Gestapo assinados por Frost nas páginas 195-200 de Falschspieler Gottes. Esta informação foi revelada antes pela revista noticiosa alemã Der Spiegel na sua edição de 19 de Julho de 1961 [página 38, 39] sob o título 'Väterchen Frost' [Paizinho Frost].

51 Datada de 15 de Setembro de 1943, a declaração, traduzida para português [a partir da tradução para inglês], diz o seguinte:

'Toda a guerra traz inúmeros infortúnios sobre a Humanidade. Toda a guerra traz dilemas morais difíceis para milhares, sim, milhões de pessoas. Isto aplica-se especialmente a esta guerra, que não poupou qualquer canto da terra e sido espalhada através do ar, da água e da terra. Por essa razão, é inevitável que em tais tempos, não apenas os indivíduos, mas também comunidades de todo o género, sem querer ou deliberadamente, são falsamente suspeitas.

'Até mesmo as Testemunhas de Jeová não foram poupadas a este destino. Fizeram de nós uma associação, cujo objecto da actividade é descrito como "minar a disciplina militar, especialmente para obrigar ou enganar os recrutas para que se insubordinem contra as ordens militares, negligenciem ou recusem o dever ou se tornem fugitivos."

'Tal opinião só pode ser avançada por alguém que se equivoca completamente quanto ao espírito e actividade da nossa Sociedade ou que, apesar de ter um conhecimento melhor, distorce-o de forma malévola.

'Nós declaramos expressamente que a nossa associação não ordena nem recomenda, nem sugere de qualquer outra forma, que se tome acção contra as ordens militares. Perguntas desse tipo não são tratadas pelas nossas congregações nem na literatura publicada da Sociedade. Nós não nos preocupamos de todo com tais questões. Nós vemos os nossos assuntos [N. do T.: lit. negócios] como sendo unicamente prestar um testemunho a Jeová Deus e proclamar a verdade bíblica a todos os povos. Centenas dos nossos membros e concrentes realizaram o seu dever militar e continuam a fazê-lo.

'Nós nunca presumimos em tempo algum, e nunca o faremos, encarar a realização do dever militar, conforme está estabelecido pelos vossos estatutos, como uma ofensa contra os princípios e aspirações da associação das Testemunhas de Jeová. Nós pedimos aos nossos membros e concrentes, na proclamação da mensagem do Reino de Deus (Mateus 24:14), que se limitem estritamente à proclamação da verdade da Bíblia, e que evitem sempre dar base para mal entendidos, e certamente que nunca sejam mal entendidos como se estivessem a oferecer qualquer incitamento à insubordinação contra as ordens militares.'

52 Página 103.

53 Our Kingdom Ministry [Nosso Ministério do Reino] (edição dos Estados Unidos), Junho de 1982.

54 Antes de 1980, a Sociedade procurava publicidade para os seus congressos e construção de salões do reino. Durante a última década, a Sociedade tem sido muito menos activa na procura de tal publicidade porque esta tem dado aos críticos das Testemunhas a possibilidade de tornar conhecidas as suas opiniões através da imprensa e dos meios electrónicos.

55 WT, 15 de Março de 1986, pp. 12, 13.

56 Our Kingdom Ministry [Nosso Ministério do Reino] (edição dos Estados Unidos), Setembro de 1995.

57 Isto é evidente a partir da declaração juramentada do advogado James M. McCabe, director do Departamento Legal Americano da Sociedade Torre de Vigia. Nessa declaração, escrita em parte como resposta às preocupações expressas pela escritório da filial norueguesa, McCabe alega que existe uma rede de ex-Testemunhas de Jeová que têm tentado servir como testemunhas especialistas em casos de custódia de crianças contra pais Testemunhas. Ele cita os nomes de Jerry Bergman, Dwane Magnani, Raymond Franz e Paul Blizard -- todos ex-Testemunhas bem conhecidas. Contudo, as únicas pessoas que ele discute na sua declaração juramentada são Bergman e Magnani, que ele tenta descredibilizar atacando os seus backgrounds pessoais.

58 Sei disto por experiência pessoal. Quando eu estava a preparar um artigo sobre as Testemunhas de Jeová para a segunda edição da The Canadian Encyclopedia [A Enciclopédia Canadiana], o editor dessa obra recebeu uma carta de Eugene Rosam, dos escritórios da filial canadiana da Sociedade em Georgetown, Ontário, queixando-se sobre o artigo que eu tinha escrito para a primeira edição da enciclopédia, e dizendo que, como eu já não estava associado com as Testemunhas de Jeová, o editor devia encontrar uma Testemunha bem vista pela Sociedade para escrever o artigo sobre as Testemunhas. Rosam depois citou o exemplo da The Encyclopedia Americana [A Enciclopédia Americana], que tinha pedido a Frederick Franz para escrever o artigo sobre as Testemunhas de Jeová para a sua edição corrente nesse tempo. Depois disso, a Encyclopedia Americana contactou-me para substituir o artigo de Franz por um artigo escrito por mim. A edição corrente da Encyclopedia Americana contém o meu artigo, tal como também acontece com a terceira edição da The Canadian Encyclopedia [A Enciclopédia Canadiana].

59 Conforme Jerry Bergman observa, 'Jeff Atkinson, ex-Presidente da American Bar Association's Child Custody Committee [Comissão de Custódia de Crianças da Associação Americana de Advogados], concluiu em 1990 que as Testemunhas de Jeová provavelmente eram responsáveis por metade dos casos de custódia constestados que estão nos tribunais em todo o país.' Bergman, Creighton Law Review, p. 1488.

60 Newsletter de e-mail de Stephen E. Wolf, Novembro de 1995, sobre o estatuto das Testemunhas de Jeová na Alemanha.

61 Susan Alter, do Research Branch of the Library of Parliament [Filial de Investigação da Biblioteca do Parlamento], em Otava, realizou em 1992 um artigo (não publicado) para os membros do Parlamento, intitulado 'Jehovah's Witnesses, Disfellowshipping and Shunning' [Testemunhas de Jeová, Desassociação e Ostracização], cujas primeiras duas frases dizem: 'A ostracização ou assédio às anteriores Testemunhas de Jeová (TJ), por membros activos da seita, é um comportamento ordenado pelo corpo governante da igreja das Testemunhas de Jeová (cujo nome oficial é Watch Tower Bible and Tract Society [Sociedade Torre de Vigia de Bíblia e Tratados]). Sabe-se que a ostracização causa uma angústia emocional severa às Testemunhas afastadas, levando ocasionalmente até a suicídios.' Embora Alter no fim tenha decidido, depois de examinar a evidência, que no caso das ex-Testemunhas desassociadas, 'uma abordagem de auto-ajuda talvez seja mais eficaz, no fim do dia, do que perseguir meios legais', no seu artigo ela indica que a lei canadiana está a mudar de maneiras que podem permitir a ex-Testemunhas tomar acção judicial bem sucedida contra anciãos das Testemunhas e contra a Sociedade Torre de Vigia no futuro.

Depois da elaboração do artigo de Alter, vários membros do Parlamento, pertencentes tanto ao governo como à oposição, mostraram preocupação a respeito da desassociação das Testemunhas. Num caso recente em Vancouver, Colúmbia Britânica, um membro do parlamento estava tão preocupado que chegou a oferecer-se para estar presente numa reunião de desassociação [das Testemunhas de Jeová].

62 Alguns anos atrás, Støttegruppen for tidligere Jehovas Vidner (uma associação dinamarquesa preocupada com o apoio às ex-Testemunhas) contactou o Registertilsynets, a Autoridade de Supervisão de Dados Dinamarquesa, para se queixar de que acreditavam que a Sociedade Torre de Vigia estava a manter ficheiros contendo informação ilegal sobre Testemunhas de Jeová desassociadas. Em 1991, uma Testemunha indignada roubou vários ficheiros dos escritórios da Sociedade Torre de Vigia em Holbaek. Quando ele depois entregou estes ficheiros à polícia em 1995, o Støttegruppen pediu que o Registertilsynets examinasse esses ficheiros para se certificar de que a Sociedade não estava a manter informações ilegais sobre Testemunhas desassociadas, incluindo as razões porque foram desassociadas. Embora o Registertilsynets tenha permitido que representantes do Støttegruppen se encontrassem com representantes da Sociedade, e tenha insistido que a Sociedade desse passos em conformidade com a lei dinamarquesa para remover qualquer informação sobre as razões porque disciplinou ou desassociou alguém, devolveu os ficheiros à filial da Torre de Vigia dinamarquesa sem tomar acção adicional. Devido aos relatórios da imprensa, o assunto criou um sério embaraço para as Testemunhas de Jeová em toda a Dinamarca e Noruega.

63 Franz, Crisis of Conscience [Crise de Consciência], p. 343.

64 Ibid.

65 Para uma discussão deste assunto, veja Ruth A. Tucker, 'From the Fringe to the Fold', Christianity Today, 15 de Julho de 1996, pp. 26-32.

66 Jehovah's Witnesses: Proclaimers of God's Kingdom [Testemunhas de Jeová: Proclamadores do Reino de Deus] (Brooklyn, NY: Watchtower Bible and Tract Society e International Bible Students Association, 1993), pp. 83-84.


Índice