Testemunhas de Jeová Estiveram Associadas Com a ONU Durante 10 Anos

Andrew W. Lusk


As Testemunhas de Jeová, conhecidas pela sua pregação de porta em porta, recusa de transfusões de sangue e neutralidade política, estão envolvidas num escândalo que é comparável ao Papa apoiar secretamente o aborto.

As Testemunhas têm de se manter neutras em assuntos políticos, incluindo guerra, ou arriscam-se a ser desassociadas e evitadas pela congregação. A liderança das Testemunhas foi ao ponto de encarar as Nações Unidas como sendo a iníqua besta cor de escarlate mencionada na Bíblia (semelhante ao modo como os católicos encaram o anticristo). Porém, as Nações Unidas confirmaram que a liderança das Testemunhas, através da sua empresa Watchtower, esteve em associação ou parceria com a ONU durante 10 anos. Os líderes desistiram rapidamente da parceria com a ONU depois de um jornal inglês ter exposto a hipocrisia em outubro de 2001.

Ninguém sabe o que 6 milhões de Testemunhas, incluindo os milhares que foram brutalizados por ditadores devido à sua posição de neutralidade, pensam sobre o envolvimento político com a ONU, pois o escritório central nunca publicou uma declaração oficial para as Testemunhas em geral. Não obstante, a liderança está a enviar as Testemunhas de porta em porta para pregar contra a hipocrisia religiosa, conforme se pode ler na revista Sentinela de 15 de novembro de 2001.

Elas virão à sua porta e trarão nas mãos a revista Sentinela de 15 de novembro de 20011 que avisa sobre a "hipocrisia religiosa". Elas estão convictas sobre a sua mensagem e objetivo de recrutar você e os seus filhos. Mas será que elas contam toda a história? No que se está a tornar um grande escândalo, muitas Testemunhas de Jeová estão a ficar chocadas ao descobrirem que a sua organização-mãe, a Watchtower Bible and Tract Society of New York, tem-se estado a "associar"2 em privado com as Nações Unidas. Em círculos religiosos, isto é comparável ao Papa concordar apoiar em privado o aconselhamento familiar e o direito ao aborto.

Os 6 milhões de Testemunhas de Jeová3 em todo o mundo foram instruídos pela sua liderança, o Corpo Governante, que têm de se manter politicamente "neutros".4 As Testemunhas têm de "respeitar" o governo por pagarem os seus impostos, mas não podem mostrar qualquer "apoio" ao governo por se juntarem às instituições militares, por fazerem a saudação à bandeira, ou por jurarem lealdade a uma Carta ou Constituição. O mesmo se aplica às Nações Unidas, conforme diz a revista Sentinela de 1 de outubro de 1995.5 De fato, a organização das Testemunhas de Jeová ensina que as Nações Unidas são a iníqua "fera cor de escarlate" mencionada no livro bíblico de Revelação (Apocalipse). Esta perspectiva é comparável ao modo como um católico vê o anticristo. Todas as religiões do mundo, exceto a religião das Testemunhas de Jeová, são consideradas como apoiantes das iníquas Nações Unidas e constituem a "grande prostituta" que está montada sobre a fera. As Testemunhas de Jeová ensinam que no 'fim do sistema' a fera eliminará a "grande prostitua" (todas as religiões) e será preciso Jeová intervir para matar a fera e salvar as Testemunhas.

"Apoiar" deliberadamente uma Carta de um governo ou uma guerra custaria pessoalmente a uma Testemunha de Jeová a excomunhão,6 a perda de Deus, a morte no Armagedom que virá em breve e ser evitado pela família e amigos na congregação.6 É um passo sério para Testemunhas que só conhecem a sua congregação. As Testemunhas levam a "neutralidade"4 tão a sério que até foram mortas em campos de concentração7 por se recusarem a juntar-se aos nazis. Milhares foram mortas ou atacadas brutalmente por um ditador do Malawi8 na África Oriental durante as décadas de 1960 e 1970. Atualmente há Testemunhas em prisões por se recusarem a cumprir o serviço militar obrigatório9 em países como a Grécia e Singapura, e são importunadas na escola por se recusarem a participar na saudação à bandeira.

Mas ao mesmo tempo que ensinava ao seu rebanho que a ONU é a fera iníqua, a Watchtower, considerada uma Organização Não-Governamental (ONG), "aproximou-se voluntariamente"2, 10, 11 e solicitou ao Departamento de Informação Pública (DPI) o estatuto de "associada" em 1991. Segundo a brochura do DPI de 1994,10 a Diretoria do DPI de 1999-200011 de todas as ONGs associadas e a brochura corrente,2 as ONGs "associadas", como a Watchtower, recebem uma variedade de documentos da ONU, têm acesso a grandes quantidades de fontes de informação e podem assistir a reuniões especiais no escritório da sede da ONU em Nova Iorque.

Para se tornar ONG "associada", o Departamento da ONU exigiu que a Watchtower, tal como todas as ONGs associadas, concordasse voluntariamente com o seu critério.10, 11, 12 O critério atual12 e o critério dos anos anteriores10, 11 exige que as ONGs "associadas" "apoiem" e "respeitem" voluntariamente os ideais da Carta das Nações Unidas e dêem provas do seu apoio à ONU por distribuírem e promoverem documentos e atividades da ONU junto dos seus membros. De fato, as Resoluções do Comitê da ONU,13 adotadas em 1968 e atualizadas em 1996,14 requerem mesmo que as ONGs "associadas" se "conformem" (ou obedeçam) ao espírito, propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas.

Apoiar deliberadamente a Carta das Nações Unidas é considerado uma atividade não-neutral4, 6 que requer a expulsão imediata e corte de relações com a Testemunha, conforme delineado na Seção 5 (a)6 do manual dos anciãos intitulado Prestai Atenção a Vós Mesmos e a Todo o Rebanho,6 publicado em 1991 pela Sociedade Torre de Vigia. No entanto, parece que a Sociedade Torre de Vigia nunca informou oficialmente os seus membros sobre o que o DPI chama uma "parceria",15 nem sobre a razão por que estava a publicar matéria promocional da ONU na sua revista (exemplo: a edição de 22 de novembro de 1998 da Despertai!16).

Segundo uma carta com a data de 11 de outubro de 2001, e uma carta atualizada com a data de 4 de março de 2004, escritas por Paul Hoeffel,17 Diretor da Seção de ONGs do DPI da ONU, a Watchtower enquanto ONG solicitou "acreditação" ao DPI em 1991 e recebeu-a de um comitê do DPI em 1992. O DPI e outras ONGs da área também confirmaram que ONGs "associadas" como a Watchtower têm de providenciar ao DPI exemplos do seu trabalho promocional em favor da ONU num relatório anual, e têm de preencher um formulário de acreditação anual18 para manter o seu estatuto de "associadas".

Desde agosto de 2001, membros das Testemunhas de Jeová, ex-membros e outras pessoas interessadas investigaram este escândalo.19 As Diretorias do DPI de 199420 e de 1999-200011 de todas as ONGs associadas com as Nações Unidas mostram o nome e endereço da Watchtower, junto com os nomes de W. L. Barry, Ciro Aulicino e Robert Johnson. Barry era membro do Corpo Governante [morreu em 1999] e Vice-Presidente da Watchtower. O nome de Barry liga a aprovação da "parceria"15 com a ONU aos escalões mais altos da Watchtower em Brooklyn, na sede em Nova Iorque.

A carta de Hoeffel17 também indicou que o DPI recebeu muitos pedidos de informação sobre a Watchtower, e em outubro a Watchtower solicitou discretamente que a sua filiação com o DPI fosse terminada. Em 9 de outubro de 2001 o DPI "desassociou" oficialmente a Watchtower. A liderança da Watchtower ainda não informou os seus membros sobre a "desassociação" em qualquer das suas publicações e cria a impressão de que se aperceberam que foi cometido um disparate horrendo.

Em outubro de 2001, artigos de Stephen Bates no jornal The Guardian21, 22, 23 levantaram a tampa deste escândalo em Inglaterra. Numa carta com a data de 22 de outubro de 2001 para o Guardian, Paul Gillies,24 um funcionário de relações públicas das Testemunhas de Jeová, admitiu a "associação"24 mas tentou esvaziar os artigos sugerindo que o Corpo Governante não conhecia o critério da ONU para as ONGs. Uma carta com a data de 1 de novembro de 2001, da sede da Watchtower25 para as suas filiais, forneceu justificações similares. No entanto, a carta de Heoffel,17 a brochura da ONU de 1994,10 a Diretoria do DPI de 1999-2000,11 dois comunicados da ONU à imprensa em 1992,26, 27 um formulário de "acreditação anual"18 que tinha de ser preenchido e assinado por um representante da Watchtower, e as resoluções do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas de 196813 mostram claramente um relato diferente. Um relato "independente" que prova que a Watchtower tinha de "solicitar voluntariamente"2, 10 associação à ONU, apoiar os ideais da Carta das Nações Unidas2, 10 e provar o seu apoio à ONU2, 10 por distribuírem literatura promocional sobre a ONU. Devido à desinformação contida na carta de Gillies,24 o Guardian recusou-se a publicá-la.

Também parece que as respostas da Watchtower estão a ignorar o fato de ONGs "associadas" terem de disseminar propaganda da ONU para os seus membros e enviar regularmente relatórios para a ONU com exemplos das suas atividades nesse sentido em relatórios anuais. De fato, nos dois primeiros anos em que foi uma ONG "associada", a Watchtower teve de provar o seu "apoio" ou lealdade à ONU10 devotando uma parte das suas publicações à agenda da fera e edificando apoio à fera. Quem diria que na "organização escolhida de Deus", segundo a liderança, o "alimento no tempo apropriado" era a "fera cor de escarlate"?

Ao mesmo tempo que a Watchtower tem estado a ensinar a "neutralidade",4 a ensinar que a ONU é uma fera iníqua, que outras religiões apoiam erradamente a fera, que Testemunhas que saúdam deliberadamente a bandeira têm de ser evitadas e que a hipocrisia religiosa é errada, a mesma liderança também estava a "apoiar"2, 10 e a provar a sua lealdade10 a essa mesma "fera iníqua" ao longo dos últimos 10 anos. Parece que a Watchtower e os seus líderes, considerados pelas Testemunhas como a organização escolhida de Deus, estão a fazer exatamente aquilo de que acusam as igrejas estabelecidas e outros na sua revista Sentinela de 15 de novembro de 2001.1

O custo humano para os membros das Testemunhas de Jeová do apoio não-neutral que a liderança deu à ONU é demonstrado no Capítulo 7 (Artigos 39 a 51)29 da Carta das Nações Unidas.28 O Capítulo 7,29 que a Watchtower concordou voluntariamente em "apoiar",2, 10 fornece às Nações Unidas um instrumento para usar em ações militares e permite que um país membro use forças armadas para se defender em caso de ataque. Seria indispensável ouvir as opiniões das Testemunhas, que seguem os ensinos dos seus líderes e estão encarceradas em Singapura por recusarem serviço militar ou aquelas que morreram em África e na Alemanha, sobre o que a sua organização-mãe fez ao apoiar politicamente a ONU ao longo dos últimos 10 anos.

Também temos de perguntar onde estava o comitê das Nações Unidas em 1991 e 1992 quando deu acreditação à Watchtower como uma "associada" do DPI. Há muitos artigos nas publicações da Watchtower explicando a "fera cor de escarlate",5 o ostracismo de ex-membros, a discriminação em função da orientação sexual e a não permissão de transfusões de sangue para crianças em casos de vida ou de morte.30 Esses exemplos podem ser considerados problemas de direitos humanos em alguns países e vão contra a Carta das Nações Unidas.28 Além disso, há casos envolvendo pedofilia31 que têm sido relatados em jornais32 dos Estados Unidos e no programa Dateline33 da cadeia de televisão NBC. Apesar disso, a Watchtower, com a ajuda de quatro referências [cartas de recomendação], obteve a "associação" em 1992.

Algumas pessoas no interior da organização sugeriram que a Watchtower, enquanto ONG, usou este estatuto de "associada" da ONU em países (como a Rússia e a França) que tratam a Watchtower como uma seita perigosa. Um estatuto de "associada" do DPI e a aprovação por um comitê das Nações Unidas poderiam ser usados pela Watchtower para dissipar o receio que existe nesses países acerca as seitas e para ajudar a obter um estatuto de "organização religiosa reconhecida".

A carta24 do representante inglês da Watchtower, Gillies, bem como a carta da Watchtower com a data de 1 de novembro de 2001 dizem que a "associação"24 com as Nações Unidas foi usada para obter um cartão de identificação para a biblioteca das Nações Unidas.34 Segundo a Watchtower, a organização precisava de informação que só podia ser obtida na biblioteca das Nações Unidas. No entanto, a informação sobre o acesso providenciada pelo sistema da biblioteca das Nações Unidas35 mostra que uma pessoa pode obter toda a informação da biblioteca sem precisar de ser uma ONG "associada".

Parece que os representantes da Torre de Vigia também se esqueceram de ler a sua doutrina que prescreveram sobre associação e apoio às Nações Unidas. Por exemplo, um artigo intitulado "O refúgio deles -- uma mentira!" na revista Sentinela de 1 de Junho de 1991 (páginas 15-20),36 um artigo intitulado "Pode uma imagem trazer paz e segurança?" na Sentinela de 1 de Maio de 1977 (página 261) e um artigo intitulado "A adoração da "fera" -- por que é recusada pelos verdadeiros cristãos" na Sentinela de 15 de Abril de 1977 (páginas 248-252),37 mostram que envolver-se, apoiar ou aquiescer com os princípios da fera cor de escarlate era considerado algo próprio da religião falsa.

Curiosamente, o artigo publicado em junho de 1991 na Sentinela saiu quase ao mesmo tempo que a Torre de Vigia teria estado a elaborar o Formulário para acreditação como ONG (aprovado posteriormente em 1992).

Uma análise detalhada adicional do artigo da Sentinela de 1991 mostra que o parágrafo 10 pergunta como é que a religião está envolvida com as Nações Unidas. A resposta encontra-se no parágrafo 11, onde se diz que nada menos de vinte e quatro organizações católicas estão representadas na ONU. A resposta parece fraca quando comparada com os artigos da Sentinela de 1976.

O parágrafo 11 do artigo da Sentinela de 1991 citou o capítulo 6, parágrafo 1, página 45 do livro New Genesis, Shaping a Global Spirituality [Novo Génesis, Dando Forma a uma Espiritualidade Global] (ISBN 1-680465-04-3), Garden City, New York, Doubleday, Image Books, 1982, 1984 por Robert Muller.38 O capítulo de Robert Muller tem o título "Oração e Meditação nas Nações Unidas".

Lendo a citação de Muller, descobrimos que o artigo da Sentinela de 1991 deixou de fora a segunda frase do parágrafo de Muller. A segunda frase diz: "Todas as grandes religiões mundiais estão acreditadas nas Nações Unidas como organizações não-governamentais."39 Esta frase que foi deixada de fora e que descreve organizações não-governamentais de fato tornaria a citação no parágrafo 11, e consequentemente a resposta à pergunta feita no parágrafo 10, significativamente mais forte. A exclusão da frase fornece prova de que a Torre de Vigia estava procurando obter pela calada exatamente o mesmo relacionamento que a religião falsa tinha com as Nações Unidas.


Notas

1 "How do you handle Hypocrisy?", páginas 21-23, The Watchtower, 15 de novembro de 2001, Watchtower Library 2001 CD-ROM, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

2 "NGOs and the United Nations Department of Public Information: Some Questions and Answers", página da Internet das Nações Unidas, http://www.un.org/dpi/ngosection/brochure.htm, mantida por Paul Hoeffel, Chief, NGO Section, Department of Public Information, Room S-1070L, United Nations, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819.

3 "Statistics: 2002 Report of Jehovah's Witnesses Worldwide", página da Internet da Watchtower, http://www.watchtower.org/statistics/worldwide_report.htm, mantida pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

4 "Neutrality", Reasoning from the Scriptures, páginas 269-276, 1989, Watchtower Library 1999 CD-ROM, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

5 "50 Years of Frustrated Efforts" e "A World Without War -- When?", páginas 3-7, The Watchtower, 1 de outubro de 1995, Watchtower Library 2001 CD-ROM, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

6 "Overseers 'Ruling for Justice Itself'", Seção 5 (a), páginas 92-96 e 100-103, Pay Attention to Yourselves and to All The Flock, Kingdom Ministry School Textbook, 1991, versão Internet em http://www.hedning.no/hedning/arkiv/jv/, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

7 "They Stood Firm Amid Nazi Persecution", página 32, The Watchtower, 15 de agosto de 1997, Watchtower Library 2001 CD-ROM, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

8 "The Worship of the "Wild Beast" -- Why True Christians Refuse", seção "Worship of the Wild Beast Today", páginas 632-636, The Watchtower, 15 de outubro de 1976, Watchtower Library 1999 CD-ROM, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

9 "A Successful Witnessing Campaign in Greece", páginas 8-10, The Watchtower, 15 de abril de 1996, Watchtower Library 1999 CD-ROM, publicado pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

10 "Who is eligible for association with DPI?" e "The application process", The United Nations Department of Public Information and Non-Governmental Organizations, abril de 1994, DPI/1438-02997, impresso pela United Nations Reproduction Section, New York, New York.

11 "Introduction -- What are the criteria for NGO's to become associated with DPI?" e "What is the procedure for NGOs to become associated with DPI?", páginas vi-vii, "Alphabetical List", página 324, "Index of NGOs", página xxiv, "Index of all Representatives", página i, "Index by Area of Interest", página 39, "Index by Region", página 24, Directory of Non-Governmental Organizations Associated with the Department of Public Information 1999-2000, 1999, publicado por Chief, NGO Section, Department of Public Information, Room S-1070L, United Nations, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819.

12 "Criteria for Association with the Department of Public Information", "Application Form for Non-Governmental Organizations" e "Required Applications Materials", 2001, publicado por Chief, NGO Section, Department of Public Information, Room S-1070L, United Nations, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819.

13 "Resolution 1296 (XLIV) Arrangements for Consultation with Non-Governmental Organizations" e "Resolution 1297 (XLIV) Non-Governmental Organizations", páginas 21-26, Resolutions Supplement No. 1, Economic and Social Council Official Records Forty-Fourth Session 6-31 May 1968, Number 16951, August 1968, United Nations, New York, New York (sites da Internet alternativos: http://www.globalpolicy.org/ngos/ngo-un/info/res-1296.htm e http://www.un.org/partners/civil_society/docs/ngo1297.htm).

14 "Resolution 1996/31 (XLIV) Consultative relationship between the United Nations and non-governmental organizations", páginas 53-61, Resolutions and Decisions of the Economic and Social Council Supplement No. 1, Official Records 1996, ISSN-0251-9410, Number 77251, November 1997, United Nations, New York, New York.

15 "NGO: Working with Permanent Missions to the UN" e "DPI/NGO Communications Workshop". "NGO: Working with Permanent Missions to the UN", 31 de maio de 2001, página da Internet das Nações Unidas, http://www.un.org/dpi/ngosection/wsmay01.htm, e "DPI/NGO Communications Workshops", 2 de dezembro de 1999, página da Internet das Nações Unidas, http://www.un.org/dpi/ngosection/workshop.htm, exemplos de parcerias entre ONGs e as Nações Unidas, mantidos por Paul Hoeffel, Chief, NGO Section, Department of Public Information, Room S-1070L, United Nations, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819.

16 "A Long Job Finished", "A View from the 29th Floor", "Human Rights and Wrongs Today" e "Human Rights for All -- A Worldwide Reality!", páginas 3-14, Awake!, 22 de novembro de 1998, publicada pela Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc., Brooklyn, New York.

17 Hoeffel letter on Watchtower Bible and Tract Society of New York, 1 página, 11 de outubro de 2001, Updated Hoeffel letter on Watchtower Bible and Tract Society of New York, 2 páginas, 4 de março de 2004, por Paul Hoeffel, Chief, NGO Section, Department of Public Information, Room S-1070L, United Nations, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819. (Tradução para português.)

18 "Year 2000 Accreditation Form For Representatives of Non-Governmental Organizations Associated with the United Nations Department of Public Information", 2 páginas, 1999, formulário preparado anualmente por Chief, NGO Section, Department of Public Information, Room S-1070L, United Nations, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819.

19 Internet research into the Watchtower's association/partnership with the United Nations, 2001, http://www.jehovahs-witness.com/11/13530/1.ashx e http://www.jehovahs-witness.com/11/10732/1.ashx, mantido por Jehovah's Witness Discussion Forum.

20 "Part II -- Other Non-Governmental Organizations Associated With the Department of Public Information", página 261, "Index of Representatives", páginas 324, 325 e 333, "Regional List", página 23, "Thematic List", página 45, Directory of Non-Governmental Organizations and NGO's Representatives Associated with the Department of Public Information 1994, produzido pela Non-Governmental Organization Section, of the Department of Public Information, 801 Union Plaza, Room U-104, New York, New York, 10017, tel.: (212) 963-6842, fax: (212) 963-6914/2819.

21 "Jehovah's Witnesses link to UN queried", página 13, por Stephen Bates, The Guardian, Monday, October 8, 2001 (Questionada a Ligação das Testemunhas de Jeová às Nações Unidas).

22 "'Hypocrite' Jehovah's Witnesses abandon secret link with UN", página 13, por Stephen Bates, The Guardian, Monday, October 15, 2001, printed in United Kingdom (Testemunhas de Jeová 'Hipócritas' Abandonam Ligação Secreta com as Nações Unidas).

23 "Jehovah's Witnesses beat a hasty retreat after UN affiliation exposed", página 23, por Stephen Bates, The Guardian Weekly, Thursday, October 18 to Wednesday, October 24, 2001, Volume 165/No. 17, printed in Montreal, Canada. Veja também: "Trouble at the Watchtower", por Stephen Bates, The Tablet, November 3, 2001, printed at 1 King St. Cloisters, Clifton Walk, London, W6 OQZ, United Kingdom.

24 Press Officer for Jehovah's Witnesses in Britain letter on the Watchtower and the United Nations to the Guardian Newspaper, 1 página, 22 de outubro de 2001, por Paul Gillies, Jehovah's Witnesses Office of Public Information, Watch Tower Society, The Ridgeway, London NW7 1RN, telephone: 020 8906 2211, Fax: 020 8371 0051. (Tradução para português.)

25 Watchtower Headquarters response to the Watchtower and Untied Nations association, 1 página, November 1, 2001, by Chairman's Committee, via CompuServe, World Headquarters of Jehovah's Witnesses, 25 Columbia Heights, Brooklyn, New York, 11201-2483, tel. 718-560-5000.

26 "Thirty-seven Organizations Granted Association Status with DPI", 2 páginas, 14 February 1992, Department of Public Information -- United Nations Press Release, NGO/208 PI/755, The Dag Hammarskjöld Library, United Nations New York, New York, 10017, Head Librarian Phone: (212) 963-7443, Fax: (212) 963-2388, Room: L-327A, www_dhl@un.org

27 "Forty-four Organizations Granted Association Status with DPI", 1 página, 7 August 1992, Department of Public Information - United Nations Press Release, NGO/211 PI/770, The Dag Hammarskjöld Library, United Nations New York, New York, 10017, Head Librarian Phone: (212) 963-7443, Fax: (212) 963-2388, Room: L-327A, www_dhl@un.org

28 "The Charter of the United Nations", 26 June 1945, The Dag Hammarskjöld Library, United Nations New York, New York, 10017, Head Librarian Phone: (212) 963-7443, Fax: (212) 963-2388, Room: L-327A, Electronic mail: www_dhl@un.org (site da Internet : http://www.un.org/aboutun/charter/index.html).

29 "Chapter 7 of the Charter of the United Nations", 26 June 1945, The Dag Hammarskjöld Library, United Nations New York, New York, 10017, Head Librarian Phone: (212) 963-7443, Fax: (212) 963-2388, Room: L-327A, Electronic mail: www_dhl@un.org (site da Internet: http://www.un.org/aboutun/charter/chapter7.htm).

30 As Testemunhas de Jeová e a questão do sangue: http://www.ajwrb.org/, mantido por The Associated Jehovah's Witnesses for Reform on Blood.

31 As Testemunhas de Jeová e a questão da pedofilia: http://www.silentlambs.org/, mantido por silentlambs.org

32 Colecção extensa de artigos de jornal sobre Testemunhas de Jeová e casos de pedofilia, mantida por watchtower.observer.org

33 "Witness for the Prosecution: Transcript of NBC Dateline Expose on Jehovah's Witnesses Pedophile Cover-Up", 28 de maio de 2002, mantido por Watchtower Information Service.

34 "The Dag Hammarskjöld Library", United Nations New York, New York, 10017, Head Librarian Phone: (212) 963-7443, Fax: (212) 963-2388, Room: L-327A, Electronic mail: www_dhl@un.org. Internet: http://www.un.org/Depts/dhl/index.html

35 "The Watchtower's Excuse that They Associated with the United Nations to Access the United Nations Library", 5 páginas, novembro de 2001, por "Hawk". (Tradução para português.)

36 UN/WTS Scandal - June 1/1991 WT & Muller

37 "Library Card" Defense refuted

38 Capa, Conteúdo (1), Conteúdo (2).

39 Página 45, 46, 47, 48, 49.


Testemunhas de Jeová Comprometeram-se a Apoiar a ONU


Em 1988, as Testemunhas de Jeová escreveram:

"Além disso, é profundamente significativo que os líderes religiosos do mundo se aliem às Nações Unidas em clamar pela paz neste tempo. Eles gostariam de influenciar a ONU para obter algumas vantagens, especialmente nesta era moderna, quando tantos do seu povo estão abandonando a religião." (Revelação -- Seu Grandioso Clímax Está Próximo (1988), p. 250, §13)

A partir de 1991, as Testemunhas de Jeová decidiram imitar esses "líderes religiosos do mundo" e aliaram-se às Nações Unidas! O site oficial da ONU revela que a Sociedade Torre de Vigia (Testemunhas de Jeová) associou-se ao Departamento de Informação Pública da ONU, comprometendo-se a cooperar da seguinte forma:

"Como cooperam as ONGs [Organizações Não-Governamentais que se associaram à ONU, incluindo a Watchtower Bible and Tract Society of New York] com o DIP [Departamento de Informação Pública da ONU]? [...] ONGs associadas com o DIP disseminam informação sobre as NU [Nações Unidas] aos seus membros, construindo assim conhecimento e apoio à Organização [ONU] ao nível das suas bases. Essa difusão inclui: Publicitar atividades das NU [Nações Unidas] ao redor do mundo sobre assuntos tais como a paz e segurança [...] Promover observâncias das NU [Nações Unidas] e anos internacionais estabelecidos pela Assembléia Geral [...]" [Fonte: site oficial da ONU.]

Portanto a Sociedade Torre de Vigia (Testemunhas de Jeová) comprometeu-se a apoiar a ONU, promover as observâncias da ONU e veicular a propaganda da ONU sobre paz e segurança e anos internacionais! Veja como isso já começou na revista Despertai!

Mais um excerto do site oficial das Nações Unidas que mostra o apoio que as Testemunhas de Jeová se comprometeram a dar à ONU:

"Quais são as responsabilidades das ONGs associadas com o DIP? [...] disseminando informação e mobilizando a opinião pública em apoio das NU [Nações Unidas] e das suas Agências Especializadas. A associação com o DIP é um compromisso para esse efeito. Espera-se que as ONGs associadas devotem uma porção dos seus programas informativos à promoção de conhecimento sobre os princípios e atividades das Nações Unidas." [Fonte: site oficial da ONU.]

Talvez as Testemunhas de Jeová precisem de refrescar a memória sobre o que disseram em 1988:

"Porque o Dador da vida de toda a humanidade não é o dador da vida da ONU. A duração da vida desta será curta, porque, segundo o decreto de Deus, ela "há de ir para a destruição". Os fundadores e os admiradores da ONU não têm seus nomes registrados no rolo da vida de Deus." (Revelação -- Seu Grandioso Clímax Está Próximo (1988), p. 248, §8)

"Que dizer da organização sucessora da Liga, as Nações Unidas? Desde que foi concebido, este organismo também tem a grande meretriz montada nas costas, visivelmente associada com ela e tentando dirigir o seu destino." (Revelação -- Seu Grandioso Clímax Está Próximo (1988), p. 243, §21)

De agora em diante, a organização das Testemunhas de Jeová também é uma "grande meretriz montada nas costas [da fera], visivelmente associada com ela" e esperando receber alguma coisa em troca da sua prostituição.


The Guardian, 2001-10-08, p. 13

The Guardian, segunda-feira, 8 de outubro de 2001, página 13

Questionada a Ligação das Testemunhas de Jeová às Nações Unidas

Seita acusada de hipocrisia por ter se associado à organização que demonizou
Stephen Bates, correspondente de assuntos religiosos

As Nações Unidas estão sendo solicitadas a investigar por que concederam o estatuto de associada às Testemunhas de Jeová, seita cristã fundamentalista com sede nos Estados Unidos, que encara a ONU como a fera escarlate predita no Livro de Revelação [Apocalipse].

Membros dissidentes do grupo de 6 milhões, que tem 130.000 seguidores no Reino Unido, acusaram de hipocrisia o idoso corpo governante das Testemunhas por aceitar secretamente vínculos com uma organização que continua a denunciar em termos apocalípticos.

A própria ONU admitiu ontem ter se surpreendido que a seita, cujo nome formal é Watchtower Bible and Tract Society of New York [WTBTS], tenha sido aceita nos últimos dez anos na sua lista de organizações não-governamentais.

Um ex-membro disse: "Há uma inconsistência manifesta que surgiu entre a descrição freqüente que a WTBTS faz da ONU como uma organização iníqua e as suas [da WTBTS] tentativas nos bastidores de obter o favor dessa organização. Se os membros individuais [da WTBTS] descobrissem qualquer vínculo formal [entre a WTBTS e a ONU], ficariam arrasados.

"Nenhum esforço de imaginação consegue tornar a WTBTS compartilhadora dos ideais da carta das Nações Unidas, a menos que se suponha que a destruição da ONU por Deus seja consistente com essa carta."

As Testemunhas, encontradas freqüentemente pelos não-membros quando tentam fazer conversos de porta em porta, já enfrentaram antes acusações de má fé.

Estas incidiram especialmente na insistência da hierarquia de que os membros não devem aceitar transfusões de sangue, e nas acusações de que abuso sexual de crianças pelos ministros das Testemunhas nos EUA tinham sido encobertas.

Os seguidores que criticam os líderes das Testemunhas ou que questionam as suas decisões são rotineiramente "desassociados", o que significa que os seus companheiros, incluindo as suas famílias, devem evitá-los.

Uma decisão obscura e mal divulgada pela hierarquia de Nova Iorque no ano passado, modificando a proibição de transfusões sob a alegação de que Deus revelou-lhes que a transfusão de certos componentes de sangue podem ser aceitáveis, se depois houvesse arrependimento, chegou demasiado tarde para centenas de seguidores que morreram porque recusaram sangue.

No caso de abuso de crianças, a hierarquia insiste que deve haver duas testemunhas independentes -- uma exigência quase impossível de ser atendida -- antes de as acusações serem investigadas.

Já há cerca de 80 anos a Sociedade Torre de Vigia tem denunciado a ONU e sua predecessora, a Liga das Nações, acreditando que ela seja um império mundial de religião falsa, predito no Livro de Revelação. [Nota: as Testemunhas de Jeová não acreditam que a ONU seja o "império mundial de religião falsa". O jornalista equivocou-se neste ponto.]

Uma publicação recente, escrita depois de a organização ter obtido o seu reconhecimento [como associada da ONU], descreve a ONU como "uma coisa repugnante perante Deus e seu povo". [A Sentinela, 1.º de junho de 1996, p. 17]

Num documento interno, a WTBTS descreve sua política como uma "estratégia de guerra teocrática". Ele afirma: "Em época de guerra espiritual, é apropriado despistar o inimigo escondendo a verdade. Isso é feito sem egoísmo; não prejudica ninguém; pelo contrário, produz muito bem." [The Watchtower, 1.º de maio de 1957, p. 286 (em inglês)]

Ser uma ONG [organização não-governamental] reconhecida pelas Nações Unidas -- como mais de 1.500 organizações são -- dá estatuto mas não dá fundos [dinheiro].

Para se qualificar, as organizações precisam mostrar que compartilham dos ideais da carta [da ONU], operar numa base não lucrativa, "demonstrar interesse nos assuntos das Nações Unidas e demonstrar capacidade para alcançar audiências grandes ou especializadas" e ter o compromisso e os meios para conduzir programas de informação efetivos sobre as atividades das Nações Unidas.

Testemunhas dissidentes acreditam que a associação [com a ONU], que não foi dada a conhecer aos seguidores [das Testemunhas de Jeová], tem a intenção de aumentar a respeitabilidade do culto perante governos céticos, com o da França, que se recusou a reconhecê-la.

Paul Gillies, o porta-voz das Testemunhas na Grã-Bretanha, disse: "Não temos atitudes hostis para com os governos e se estamos fazendo representações em assuntos para as NU [Nações Unidas], faremos isso.

"Há bons e maus governos, assim como há bons e maus políticos. Acreditamos no que o Livro de Revelação nos diz, mas não tentamos ativamente mudar o sistema político."

Um porta-voz das Nações Unidas disse: "Penso que podemos não estar a par da atitude deles, que parece ser realmente estranha."


Fax da ONU (11 de outubro de 2001)

Nações Unidas

11 de outubro de 2001

A Quem Possa Interessar:

Recentemente a Seção ONG [Organizações Não-Governamentais] tinha estado a receber numerosos pedidos de informação sobre a associação da Watchtower Bible and Tract Society of New York [Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados de Nova Iorque] com o Departamento de Informação Pública (DPI). Esta organização requereu associação com o DPI em 1991 e foi-lhe concedida associação em 1992. Ao aceitar associação com o DPI, a organização concordou em preencher os critérios para associação, incluindo apoio e respeito aos princípios da Carta das Nações Unidas e compromisso e meios de conduzir programas de informação efetivos com os seus constituintes e para uma audiência mais vasta sobre as atividades das NU [Nações Unidas].

Em outubro de 2001, a Watchtower Bible and Tract Society of New York pediu o término da sua associação com o DPI. Seguindo este pedido, o DPI tomou a decisão de desassociar a Watchtower Bible and Tract Society of New York em 9 de outubro de 2001.

Apreciamos o seu interesse no trabalho das Nações Unidas.

Sinceramente,
Paul Hoeffel
Diretor
Seção ONG
Departamento de Informação Pública


The Guardian, 2001-10-15, p. 13
The Guardian, segunda-feira, 15 de outubro de 2001, página 13

Testemunhas de Jeová 'Hipócritas' Abandonam Ligação Secreta com as Nações Unidas

Stephen Bates, correspondente de assuntos religiosos

As Testemunhas de Jeová desafiliaram-se apressadamente das Nações Unidas poucos dias depois de uma história do Guardian na qual membros acusaram a seita de hipocrisia por apoiar uma organização que denunciou repetidamente em privado.

Depois do artigo na segunda-feira passada [8 de outubro de 2001], a hierarquia da organização com base em Nova Iorque evitou um inquérito das Nações Unidas ao concordar em dissociar as Testemunhas da organização que defende ser a besta cor-de-escarlate mencionada no Livro de Revelação [Apocalipse].

A Watchtower Bible and Tract Society of New York [Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados de Nova Iorque], como a seita é formalmente conhecida, tem 6 milhões de membros em todo o mundo e 130.000 na Grã-Bretanha. Tinha estado secretamente afiliada com as Nações Unidas como uma organização não-governamental durante 10 anos.

Espera-se das organizações reconhecidas que demonstrem que partilham os objetivos das Nações Unidas, mas em vez disso os anciãos dizem às Testemunhas para encarar a ONU como sendo "uma coisa repugnante perante Deus e seu povo" [A Sentinela, 1.º de junho de 1996, p. 17] por alegadamente aspirar à dominação mundial como Babilônia a Grande, a besta de Revelação. [Aqui o jornalista equivocou-se. As Testemunhas de Jeová não acham que as Nações Unidas sejam Babilônia a Grande.]

A seita não acredita na participação no governo e inicialmente tentou minimizar ou negar a evidência do site da Internet das Nações Unidas, que a inclui na lista das 1.500 ONGs [Organizações Não-Governamentais] [associadas ao DPI da ONU]. [Nota: o nome da Watchtower foi retirado da lista em 18 de outubro de 2001.]

Aqueles que traziam a evidência à luz eram acusados de apostasia. Membros desafiliados tornam-se conhecidos informalmente, tal como o resto da humanidade, como sendo "sementes [de comida] para pássaro", de acordo com a profecia bíblica sobre o destino dos não crentes, cujos cadáveres serão debicados até ao osso por corvos.

Poucas horas depois do aparecimento do artigo no site da Internet do [jornal inglês] Guardian na segunda-feira [8 de outubro de 2001] e da sua reprodução num fórum de discussão sobre as Testemunhas de Jeová, mais de 14.000 pessoas em todo o mundo tinham-no lido.

Ontem havia 353 mensagens [...] discutindo o artigo e as suas revelações, com Testemunhas nos Estados Unidos pedindo para ver cópias do jornal.


Artigos relacionados


Índice · English