Notas Sobre o Anuário das Testemunhas de Jeová de 1999

Osarsif


Índice

Carta dos Governantes (pp. 3-5)

Alguns comentários de carácter geral sobre o Anuário das TJ de 1999:

  1. A capa é diferente. Maleável e com imagens. Ouvi dizer que no futuro os livros serão todos assim. Isto tem duas vantagens: por um lado é muito mais barato (menos custos para s STV, mais lucro) do que as anteriores capas duras, de cartão; por outro lado é muito mais apelativo para os compradores.

  2. A foto da senhora na capa é bem o reflexo da STV actualmente: uma religião envelhecida, estagnada, com um perpétuo sorriso no rosto e sem coragem para fazer as reformas que se impõem.

  3. Parece-me que este ano o Anuário tem mais imagens do que em anos anteriores.

  4. No geral, este Anuário parece-se muito com um exemplar das Selecções do Reader's Digest -- no aspecto gráfico, no tamanho, na linguagem e mesmo em algumas fotos. Contrariamente ao que acontecia em anos anteriores, desta vez a carta dos 10 governantes das TJ (que estão em Brooklyn) aparece logo no início do Anuário e não no fim. Apesar desta pequena alteração, o conteúdo da carta é praticamente igual ao dos anos anteriores. É sempre a mesma coisa. É uma repetição interminável.

p. 4 § 4

O "congresso" intitulado "O Caminho de Deus Para a Vida" reflecte bem a mudança que ocorreu nos últimos anos dentro da organização.

Quase desapareceu a urgência relacionada com o "fim do sistema". Agora a ênfase é dada em continuar na religião das TJ "Para a Vida", i.e., mesmo que "o fim" não venha dentro de 30, 40 ou 50 anos, eles não devem desanimar. Devem é seguir "O Caminho de Deus Para a Vida", i.e., devem seguir cegamente tudo o que Brooklyn ordena.

p. 5 § 3

Mas como os governantes das TJ sabem que isto pode ser altamente desmoralizador para as tropas, há que condimentar essa mensagem com um pouco de picante, para dar gosto.

Assim, escolhe-se um "texto do ano para 1999" que tenta suscitar algum alarme e senso de urgência entre as hostes do "povo de Deus". O texto é 2 Coríntios 6:2 e diz:

"Eis que agora é o dia de salvação"

A frase foi escrita há dezanove séculos atrás. Se naquela altura já era o dia de salvação, então um "dia" pelos vistos prolonga-se por milhares de anos e portanto desaparece o sentimento de urgência e de proximidade.

Mas os governantes em Brooklyn sabem que as TJ vão pensar que 'agora é que é mesmo'.

p. 5 § 1

Desconfio que uma das razões para o estranhíssimo decréscimo do número de seguidores da STV em muitos países mais desenvolvidos e nos quais a população tem um nível de educação mais elevado se deve em parte à informação que ex-TJ disponibilizaram na Internet. Isto tem aberto os olhos a muita gente. Além disso, muitas ex-TJ têm feito movimentações no sentido de fazer aparecer em rádios, jornais e televisões artigos e programas sobre a STV que mostram como ela realmente é.

Os recentes escândalos na França (impostos), Bulgária (sangue) e Alemanha (ausência de contribuições por parte da STV para um fundo de reformas para os missionários) também deram muita publicidade desfavorável à STV.

Assim, é necessário defender a honra e dar umas 'mocadas' nos dissidentes.

Quando querem fazer uma afirmação que não tem qualquer evidência em apoio, eles começam sempre a frase com "Não resta dúvida":

"Não resta dúvida sobre o nítido contraste entre a condição espiritual dos servos de Deus hoje e a dos apóstatas e de outros que professam conhecer e adorar a Deus, mas que o repudiam pelas suas obras."

Claro. É necessário que as TJ pensem 'nós estamos na maior e esses miseráveis apóstatas estão num desespero absoluto'.

Na citação seguinte (também tirada da p. 5 §1), os parêntesis rectos foram inseridos pela própria STV, apesar de serem uma distorção do texto:

"As palavras inspiradas, em Isaías 65:13, 14, alertam-nos sobre esta diferença: "Eis que os meus próprios servos comerão,... beberão,... se alegrarão,... gritarão de júbilo por causa da boa condição de coração, mas vós [apóstatas] fareis clamores por causa da dor de coração e uivareis por causa do puro quebrantamento do espírito."

Porque é que os escritores desta carta (os 10 governantes das TJ) precisam de acrescentar palavras ao texto Bíblico? (Revelação 22:18) Porque o texto não diz o que eles querem. É necessário torcê-lo.

Em inquéritos feitos junto de ex-TJ muitas vezes pergunta-se-lhes: "É mais feliz agora ou quando era membro da STV?" A resposta, na esmagadora maioria dos casos, costuma ser: "Sou mais feliz agora".

Aquela situação retratada no Anuário -- apóstatas em pranto e clamores, uivando com dores de coração -- é uma pura ilusão da STV.

Eles querem que as TJ pensem que se saírem daquela religião estão à mercê de Satanás, e tudo o que há de mal vai desabar sobre a cabeça delas. Isto é uma subtil forma de dizer que 'não há vida fora da organização'. Só pranto, clamores, uivos e ranger de dentes por causa da "dor de coração".

Enfim, deixemo-los com as suas ilusões.


Destaques (pp. 6-30)

Tal como a carta dos governantes das TJ aparece este ano logo a abrir o Anuário (e não no fim como era costume em anos anteriores) assim também é curioso que logo na página 6 vemos fotografias de governantes das TJ. (Barr, Schroeder, Henschel e Barber, que está a discursar numa assembleia sentado num sofá!)

Isto parece denotar que o CG está a dar um murro na mesa e a dizer: 'quem manda aqui somos nós', pois nunca em anos anteriores se viu tal ênfase nos líderes das TJ.

p. 11 (fotografias)

A sevilhana (canto inferior direito) tem um vestido curioso. Acho que ninguém hoje usa aquilo na rua, nem mesmo em Espanha. Será que ela vai pregar vestida daquela maneira? Então porque é que vai assim para o "congresso"? É só para dar show off.

p. 15 § 2

"... clero da Igreja Ortodoxa Grega."

Nunca ouvimos falar de 'clero da Sociedade Torre de Vigia.' Porque será?

p. 16 § 4

"Foi certamente Deus que a enviou aqui com este panfleto."

A psicose de serem "Enviados de Deus"...

p. 18 § 2

Uma das histórias favoritas das TJ é quando as freiras abandonam o convento e se submetem à autoridade da STV.

p. 19 e seguintes

Patterson. Estão a transferir quase tudo que é assessório para lá.

Tal como muitas empresas que só mantêm nos escritórios centrais o Conselho de Administração e alguns serviços vitais e remetem para um anexo nos subúrbios todos os serviços que não são muito importantes. Estratégia empresarial.

p. 20 § 2

Por vezes, eles descuidam-se e vê-se o alto conceito que os líderes das TJ têm de si mesmos. Reparem bem nesta frase:

"Quando começaram a receber vídeos em linguagem de sinais, alguns dos deficientes auditivos viram nisso uma evidência de que Jeová não os havia esquecido, mas que se importava também com eles."

A intenção de a STV se colocar no lugar de Deus é óbvia.

p. 23 § 1

Esta é suficiente para me pôr bem humorado durante 1 mês:

"... professores foram incentivados a convidar Testemunhas de Jeová a dar discursos nas salas de aula sobre ética e moral, com base nas experiências durante o Holocausto."

Confronte com Nazismo.

p. 23 § 3

"Alguns oponentes têm usado conceitos errados sobre o uso clínico de sangue como desculpa para restringir nossa atividade na Rússia."

É verdadeiramente incrível que a STV acuse outros de terem "conceitos errados sobre o uso clínico de sangue"! Que hipocrisia.

Notem que ao mencionarem "apóstatas" ou "oponentes" ou 'opositores', a STV tenta sempre ser o mais vaga possível quanto a quem são essas pessoas e quais são os seus argumentos. Se fossem mais específicos, as TJ poderiam acordar...

p. 24 § 1

"... perigo associado com o uso de sangue..."

Que dizer do perigo de não usar o sangue? Porque é que não o mencionam? Até parece que o sangue só tem "perigos" e nunca salva vidas.

p. 24 § 2 e seguintes

A STV empreendeu uma campanha oportunista a favor dos valores 'conservadores' e 'politicamente correctos': família, direitos das mulheres, etc.

Como os aspectos estritamente religiosos (doutrinas, teologia) da STV perderam o apelativo para muita gente (já não resultam), é necessário embrulhar a mensagem num invólucro que a torne mais apelativa.

Querem-se fazer passar por defensores dos direitos das mulheres quando na realidade na STV quem manda são os homens e as mulheres têm de se submeter em tudo.

Querem-se fazer passar por defensores da família quando na realidade em muitos países os tribunais estão a abarrotar com casos envolvendo a custódia de filhos de casais em que um é TJ e o outro não.

Nos tribunais dos Estados Unidos e do Canadá existem mais casos de custódia de crianças envolvendo TJ do que todos os outros casos de custódia de crianças (relacionados com religião) juntos.

p. 25 § 3

"Não podemos mudar o conceito negativo que muitas pessoas neste mundo têm a nosso respeito."

Pois não, especialmente quando esse conceito negativo resulta de as pessoas terem investigado a história da vossa religião.

p. 27 § 1

Sabiam que agora a STV também tem ordens religiosas, assim como os Católicos têm os beneditinos, os franciscanos, os dominicanos, etc?

Parece incrível, mas é verdade. Ora reparem:

"Actualmente, há 17.781 pessoas nas famílias de Betel em todo o mundo que prestam serviços como membros da Ordem de Servos Especiais de Tempo Integral."

Quem diria, hein??

As TJ, que sempre se orgulharam de supostamente não estarem separadas em classe clerical e classe de leigos, agora falam de uma Ordem religiosa selecta dentro da organização. Espantoso.

p. 28 § 1 e § 2 sobre a França

É verdadeiramente escandaloso e vergonhoso o que estes 2 parágrafos (não) dizem.

Depois de tudo o que se passou na França no ano passado, eles só dizem generalidades e tentam esconder todos os incidentes embaraçosos. Não mencionam a multa de 50 milhões de dólares. Não mencionam que evacuaram apressadamente boa parte do Betel (dezenas de betelitas e muitos equipamentos) para Inglaterra, para fugir aos impostos. Não dizem que o Betel foi penhorado pelas autoridades fiscais.

Só dizem generalidades, tudo muito vago. Reparem:

"As tentativas iniciais de construção na vizinhança dos nossos prédios já existentes enfrentaram forte oposição. Os oponentes continuam a tentar interferir na actividade das Testemunhas de Jeová na França."

Não dizem por que é que havia oposição. Não dizem como é que esses misteriosos "oponentes" (que não são nomeados) tentam interferir.

Outro facto que demonstra a desonestidade da STV é a questão das estatísticas sobre a evolução do número de TJ na França.

Se eles fossem honestos, e já que estão a fazer um balanço do ano que passou, deveriam dizer: 'No ano passado tivemos um decréscimo de 2% no número de publicadores na França' [veja a página 34 do Anuário] 'e perdemos cerca de 2.000 adeptos'.

Mas não, eles preferem dizer isto:

"O aumento de 50% no número de publicadores nos anos 80 tornara urgentemente necessário mais espaço em Betel."

Em vez de reconhecerem que em 1997 e 1998 houve decréscimo (2% em cada ano), eles assobiam para o ar e põem-se a falar dos aumentos que tiveram "nos anos 80". Isto não é sério.

Mais grave ainda é esta mentira descarada:

"Mas as 121.000 Testemunhas de Jeová não diminuem sua pregação das boas novas do Reino de Deus..."

Comparemos os números relativos a França apresentados nos Anuários de 1998 e de 1999 para ver se as TJ diminuem ou não diminuem a sua pregação na França.

  • Média de publicadores em 1997: 120.490
  • Média de publicadores em 1998: 118.572
  • Variação: Diminuição de 1.918 publicadores.
  • Total de Horas em 1997: 19.067.704
  • Total de Horas em 1998: 18.401.603
  • Variação: Diminuição de 666.101 horas.
  • Média mensal 'Horas por publicador' em 1997: 13,19 horas/mês
  • Média mensal 'Horas por publicador' em 1998: 12,93 horas/mês

Por aqui se vê a mentira quando o Anuário diz a respeito da França:

"as 121.000 Testemunhas de Jeová não diminuem sua pregação das boas novas do Reino de Deus".

Analisemos os outros aspectos.

  • Assistência à Comemoração: diminuição de 12.718
  • Estudos Bíblicos: diminuição de 5.088
  • Congregações: diminuição de 13 congregações! Houve 13 congregações que desapareceram!
  • Pioneiros: diminuição de 441
  • Baptizados: diminuição de 907

Com congregações a desaparecer e todos os indicadores apontando para uma diminuição, eles ainda têm o descaramento e o desplante de dizer:

"as 121.000 Testemunhas de Jeová não diminuem sua pregação das boas novas do Reino de Deus".

p. 128 § 3 e p. 130 § 1

Em Espanha as TJ são "mais de 103.000".

Também aqui o retrato optimista feito pela STV é enganador. Se analisarmos a p. 34, vemos que houve diminuição no número de publicadores na Espanha.

  • Média de publicadores em 1996: 99.240
  • Média de publicadores em 1997: 98.724
  • Média de publicadores em 1998: 97.384
  • Auge em 1997: 106.071
  • Auge em 1998: 103.784

Também enganador é o facto de o Anuário dizer (p. 128 §3):

"Desde... 1983, o número de Testemunhas de Jeová na Espanha aumentou de 53.000 para mais de 103.000"

Se eles fossem honestos deveriam dizer:

'Desde 1983, o número de TJ na Espanha aumentou de 53.000 para mais de 106.000 (auge em 1997), mas de 1997 para 1998 tivemos uma diminuição no número de adeptos: 2.287 saíram da nossa religião em apenas um ano.'

Factos que a STV não quer comentar.

  • Em 28 países há diminuição (muitos deles países europeus importantes: Espanha, França, etc.)
  • Em 17 países há 0% de aumento (i.e., não há aumento)

Isto totaliza 45 países em que o número de adeptos da STV ou estagnou ou está a diminuir, com congregações a desaparecer e tudo!

Agora percebemos a paranóia deles a respeito dos "apóstatas"!


Relatório Mundial (pp. 40-64)

p. 40, 41

Mapa com cores. Reparem na quantidade de países coloridos a castanho e a roxo. Alguns destes países são muito populosos (como a China e a Índia, que têm mais de mil milhões de habitantes cada) e as TJ praticamente não existem nesses países, nem a população ouviu alguma vez falar delas.

De facto, em alguns desses países as TJ estão proscritas (banidas, ilegalizadas) e o proselitismo a favor de uma religião que não seja o Islamismo é punido com a pena de morte. Nesses países pura e simplesmente não existe pregação. Como é que a STV pode dizer que Mateus 24:14 ["testemunho a TODAS as nações"] se está a cumprir?

p. 45 § 2

Mencionam aulas de alfabetização nas congregações moçambicanas. Parece-me uma excelente ideia, mas porque é que limitam as aulas às TJ? Provavelmente para que as TJ nesse país tenham uma vantagem comparativa em relação ao resto da população, o que resultará num proselitismo mais eficiente (produtivo).

Essas aulas não são acções desinteressadas pelo povo. São uma estratégia para encaixar as TJ numa rotina de estudo das publicações da STV, para que possam ser melhor controladas e indoutrinadas.

Outro motivo é este: TJ que não sabem ler não compram os livros e revistas da STV, logo isso representa menos dinheiro para a STV.

p. 46 § 2

A paranóia das TJ é de tal ordem que os seus filhos têm de sair das salas de aula quando a turma canta os 'parabéns para você'. Como se os 'parabéns' fossem um rito satânico que não pode ser nem presenciado.

p. 55 § 3

"É evidente que o anjo que voa pelo meio do céu, mencionado em Revelação 14:6, está tendo uma participação significativa na obra."

Não é nada evidente.

p. 60 § 2

Os 'limpadores de janelas' de facto parecem ter uma propensão irresistível para se tornarem TJ...


Alemanha (pp. 67-147)

No ano que passou, as TJ tiveram vários problemas na Alemanha que lhes deram muita publicidade desfavorável, especialmente o caso dos ex-missionários que processaram judicialmente a STV por esta não ter feito (como a lei mandava) descontos para que esses missionários pudessem ter direito a reformas (pensões de velhice).

Ou seja, quando não pudessem trabalhar mais em Betel, ficavam à mercê da boa vontade da STV para os sustentar. Mas quando está envolvido dinheiro ou propriedades, já se sabe como é o comportamento daqueles senhores.

É muito embaraçoso para a STV que a tentativa de colaboracionismo dos seus líderes com o regime Nazi tenha sido exposta em várias publicações e especialmente na Internet, com muita documentação e imagens de documentos da Gestapo, etc. (por Kent Steinhaug e depois por outros). Isto é extremamente embaraçoso para a STV. Eles tentaram refutar algumas das acusações na revista Despertai! (8 de Julho de 1998), mas foi pior a emenda que o soneto.

Assim, eles querem defender-se e bater mais um bocadinho na tecla dos 'mártires cristãos às mãos dos Nazis', posição que lhes granjeia sempre uma certa simpatia por parte da opinião pública. Tentam desta forma evitar o título de 'culto' ou 'seita perigosa'. Afinal, se foram perseguidos pelos nazis, é porque devem ser bonzinhos...

Este Anuário de 1999 faz uma actualização da história contada no Anuário de 1976. Desta vez contam o que aconteceu de 1950 (mais ou menos) para cá e aproveitam para contar também a história da reunificação e do trabalho das TJ sob a RDA.

p. 67 § 2

"[As TJ] não transigiram na sua fé. Resistiram à impiedosa perseguição."

Isto é verdade no caso de algumas Testemunhas comuns, falso no caso dos líderes. Apresentar a frase como o Anuário o faz é enganador.

p. 67 § 3

"A história do que lhes aconteceu e de como se comportaram durante a era nazista continua a dar testemunho -- que hoje fala ao mundo todo."

Pois fala, embora não da forma que a STV gostaria.

p. 68 § 1

"Como as Testemunhas de Jeová conseguiram se sair vitoriosas? Não por alguma habilidade especial de sua parte. E por certo não foi devido ao número de adeptos, que somava menos de 20.000 em toda a Alemanha no início da Segunda Guerra Mundial..."

É incrível que a STV tenha usado a palavra "adeptos" para se referir às TJ! Oops...

Parece-me que de facto as TJ eram muito menos de 20.000 (talvez fossem umas 10.000, se tanto). Mas a STV quer inflacionar o número o mais que pode, para aumentar a dimensão da tragédia.

O uso de Atos 5:34-39 pela STV não tem qualquer sentido, pois o texto pode ser usado para justificar praticamente qualquer bando de lunáticos em existência.

"As Testemunhas de Jeová na Alemanha mostraram-se leais a Deus, mesmo sob ameaça de morte..."

Que dizer dos líderes?

p. 68 § 2

"... eventos que eram parte do cumprimento inconfundível do... sinal da sua presença e da terminação do sistema de coisas."

Isto é falso, conforme Carl Olof Jonsson demonstrou em The Sign of the Last Days -- When? [O Sinal dos Últimos Dias -- Quando?]

A referência a Mateus 24:14 também é fraudulenta (compare com p.76 §5, p.111 §1).

p. 68 § 3

É de uma hipocrisia inqualificável falar de Erich Frost e não dizer que ele era um traidor. Fazem-no parecer um mártir, quando na realidade era um traidor.

É curioso que mencionem Konrad Franke. Ele disse coisas muito, muito embaraçosas para a STV.

p. 74 § 1

"Mas ele percebeu que a interpretação do Alcorão diferia tanto de uma mesquita para outra a ponto de alguns muçulmanos se recusarem a ir a outra mesquita que não fosse a deles... Na mesquita ele ouviu interpretações do Islã que diferiam do que se ensinava na Alemanha. Não havia união."

Em seguida gabam-se da "união" que existe entre as TJ.

É claro que a comparação entre o Islamismo como um todo (sunitas, xiitas, etc.) de um lado e as TJ do outro, é desonesta.

O homem também poderia ter dito que há desunião entre os 'cristãos' e que a interpretação da Bíblia difere ainda mais entre os 'cristãos' do que a interpretação do Alcorão entre os muçulmanos.

p. 76 § 3

"Hoje ela é pioneira, a exemplo dos primeiros cristãos."

Que monumental disparate.

p. 76 § 5

"A maioria das pessoas que vieram da China nunca ouviu falar de nós e muito menos já leu a Bíblia..."

Compare isto com as interpretações da STV a respeito de Mateus 24:14.

p. 77 § 1

"... professora chinesa de geologia... leu o livro [Evolução] todo em uma semana. Agora, em vez de ensinar a evolução, dirige estudos bíblicos domiciliares..."

Que bacorada! Esse livro é uma fraude monumental.

p. 86 § 2

"O sentimento geral era de que o fim do velho sistema devia estar muito perto."

Como se vê, o sentimento geral (que lhes foi incutido pela STV, naturalmente) estava (como já vem sendo costume) completamente errado.

p. 97 § 4

"Erich Frost colocou a mão no seu ombro e disse... Se você permanecer fiel a Jeová, ele vai cuidar de você. Sei disso por experiência própria..."

Que grandessíssima hipocrisia! Ele era um colaborador dos nazis e agente da Gestapo! Se isso é ser "fiel a Jeová"...

p. 105 § 3

"... proibição bíblica de usar sangue."

Esta linguagem é enganadora. A Bíblia nada diz sobre transfusões de sangue.

"Isso tem envolvido transpor uma barreira de preconceito e desinformação."

Só se for a desinformação causada pela propaganda da revista Despertai! a respeito de histórias de horror relacionadas com transfusões de sangue.

p. 108 § 3

A STV deixa transparecer a sua enorme simpatia por Ronald Reagan e forte antipatia por Erich Honecker.

Típico dos movimentos evangélicos fundamentalistas da América.

Faz lembrar outro Anuário em que as TJ revelaram a sua simpatia pelos ditadores fascistas do Chile e antipatia pelo governo "comunista" de Salvador Allende...

p. 111 § 1

"Visto que as publicações das Testemunhas de Jeová haviam sido proscritas por décadas, muitos [na ex-RDA] sabiam pouco ou nada sobre estas."

Compare isto com as interpretações que as TJ tinham naquele tempo sobre Mateus 24:14.

p. 115 § 1

"Alguns começaram a achar que as visitas das Testemunhas de Jeová lhes tiravam o sossego e a tranquilidade, e que eram até mesmo incómodas."

Pudera!

p. 116 § 1

"Embora elementos religiosos, apoiados por apóstatas, tentassem impedir que as Testemunhas de Jeová usufruíssem de liberdades protegidas pela constituição..."

Quem eram esses a quem a STV chama "apóstatas"? Porque é que a STV sente a necessidade de ser tão vaga sempre que menciona "apóstatas"? O que é que estão a tentar esconder?

Quando lhes convém, a organização gosta de invocar as liberdades constitucionais, como se a liberdade de religião ou a democracia fosse um princípio defendido por eles.

A verdade é que se dependesse só da STV, todas as outras religiões seriam exterminadas e só restaria a religião das TJ.

p. 117 § 1

Depois de mencionarem dois dos piores livros que a STV alguma vez publicou (Revelação e Evolução), o Anuário diz:

"As provas da existência do criador são irrefutáveis."

Que monumental disparate.

O livro "Revelação" é um dos mais alucinados que as TJ já publicaram. Mais alucinação, só mesmo no imbatível O Mistério Consumado, de 1917.

p. 127 § 2

Pessoas numa convenção das TJ:

"... prestavam a máxima atenção ao que Jeová tinha para lhes dizer."

A STV acha que é Deus!

p. 137 § 2

"Mesmo antes disso, as Testemunhas de Jeová na Alemanha ofereciam publicações bíblicas gratuitamente a todas as pessoas interessadas em lê-las. Isso certamente refuta a acusação feita por opositores de que a STV distribui publicações visando lucro."

Só passaram a oferecer as publicações gratuitamente depois de 1990, quando se deu o 'incidente Swaggart', nos EUA. Antes disso sempre venderam. E depois disso têm continuado a vender em muitos países em que não existem impostos sobre as vendas.

Em vez de estar a deitar areia para os olhos das pessoas, a STV deve é responder a esta pergunta:

Tem ou não tem lucro com a sua distribuição de literatura?

No site http://freeminds.org/bethel/bucks.htm pode encontrar estudos que provam que as margens de lucro das revistas em meados de 1980 chegavam aos 500%. Hoje devem ser muito, muito superiores, pois a indústria tipográfica está muito mais desenvolvida (o que permite produzir mais com menores custos) e as contribuições que as pessoas dão pela literatura são sempre muito maiores do que quando havia preço fixo. A diversidade da oferta (CDs, cassettes de música, cassettes de vídeo, etc.) também contribuiu para aumentar as fontes de lucro da STV.

p. 137 § 3

"Mas como são cobertas as despesas com a obra mundial do Reino? Por meio de donativos não-solicitados feitos pelas Testemunhas de Jeová e por outras pessoas apreciativas."

"donativos não-solicitados", heh? Pensam que somos parvos ou quê?

p. 139 legenda

"Instrumentos para neutralizar uma enxurrada de informações deturpadas."

O compromisso dos líderes das TJ (Rutherford, Knorr, Frost e outros) com os nazis é algo que a STV não pode neutralizar, porque está documentado na sua própria literatura (Anuário de 1934 -- "Declaration of Facts", etc.) e nos documentos da Gestapo. Ver links que indiquei acima.

As tentativas de revisionismo por parte da STV só mostram a sua desonestidade.

p. 139 § 1

"Agora, em lugar dos antigos perseguidores do povo de Jeová, apóstatas passam a espancar seus ex-associados cristãos."

Desde quando é que apresentar evidência tirada do Anuário de 1934 e de cartas enviadas pela STV a Hitler é "espancar"?

Porque é que a STV sente a necessidade de diabolizar todos os que a denunciam? Essa é uma estratégia que todas as seitas usam. A Cientologia faz exactamente o mesmo.

Deixem de se fazer de vítimas. Isso já não vos serve de nada.

"Em fins da década de 80 e no início dos anos 90, esses apóstatas ficaram mais ousados, aumentando a quantidade e o veneno de suas afirmações falsas."

As "afirmações falsas" e o "veneno" são provas documentais (cartas enviadas pela STV a Hitler, Anuário de 1934, documentos da Gestapo, etc.) que a STV já não pode esconder.

Os comentários mais ou menos idiotas que a STV faz a respeito de "ex-membros amargurados" não alteram os factos históricos, nem as provas que incriminam a STV. Não foram os "ex-membros amargurados" que andaram a escrever cartas bajuladoras a Hitler, nem foram eles que redigiram a anti-semita "Declaration of Facts" em 1933, foram os líderes da STV, nomeadamente Rutherford e Knorr.

p. 142 § 1

A STV fez uma brochura intitulada As Testemunhas de Jeová -- Seus Vizinhos. Quem São?

"com o objectivo específico de neutralizar essa enxurrada de propaganda enganosa." (p. 141 §1)

"A brochura traz informações factuais tiradas de uma pesquisa de 1994 em que cerca de 146.000 Testemunhas de Jeová na Alemanha participaram."

Obviamente, Brooklyn tem um problema de compreensão a respeito da palavra "factual".

Eles não dizem qual foi o método de escolha das pessoas que participaram na entrevista, não dizem em que circunstâncias foi feita a pesquisa, não dizem se foi uma entidade independente ou se foi a própria STV a fazer o tratamento da informação, não dizem nada! Só se sabe que foi "uma pesquisa". Este facto, por si só, é suficiente para retirar toda a credibilidade à "pesquisa".

"Os resultados da pesquisa facilmente refutaram muitos conceitos errôneos que as pessoas tinham sobre as Testemunhas de Jeová."

Não refutaram coisa nenhuma, pois não se sabe como foi escolhida aquela amostra de 146.000 pessoas (em 1994 havia cerca de 170.000 TJ na Alemanha), nem se sabe se é uma boa amostra, i.e., se é representativa.

"Uma religião de mulheres idosas? Quatro de cada dez Testemunhas de Jeová na Alemanha são homens e a média de idades entre os membros da religião é de 44 anos."

Confirma-se que são uma religião maioritariamente constituída por mulheres (60% são mulheres).

Em vez de dizer a média das idades "entre os membros da religião", ou seja, misturando homens e mulheres de todas as idades (o que só serve para esconder informação) a STV devia era dizer: qual a percentagem de mulheres TJ que tem entre 20 e 40 anos? E entre 40 e 55? E mais de 55? Divisão por classes, meus caros! Mas não o quiseram fazer (embora talvez até tenham essas informações em seu poder), pois isso quase de certeza confirmaria que são mesmo "uma religião de mulheres idosas".

"Uma religião composta de pessoas que sofreram lavagem cerebral desde a infância? Cinquenta e dois por cento de todas as Testemunhas de Jeová tornaram-se membros da religião depois de adultos."

Por outras palavras, praticamente metade das TJ (48%) foram criadas desde que nasceram entre as TJ. Reparem que a STV nem sequer tenta negar que fazem "lavagem cerebral".

"Uma religião que dissolve famílias? Dezenove por cento das Testemunhas de Jeová são solteiros, 68% casados e 9% viúvos. Apenas 4% são divorciados, e desses, grande parte já estavam divorciados antes de se tornarem Testemunhas de Jeová."

Para podermos fazer comparações, precisaríamos de conhecer a percentagem de divorciados entre a população Alemã em geral, mas a STV não nos dá o valor.

A 'dissolução das famílias' não resulta necessariamente em divórcio. Muitas famílias ficam debilitadas quando um dos membros (não necessariamente o pai ou a mãe, pode ser um filho) se torna TJ e se desliga dos restantes. A "pesquisa" que a STV arranjou não diz nada sobre estas situações.

"Uma religião que proíbe ter filhos? Quase quatro quintos das Testemunhas de Jeová casadas têm filhos."

Isso só prova que desobedeceram às "orientações" que a STV deu no livro Children [Filhos] em 1941 e em inúmeras publicações depois dessa data, especialmente na revista A Sentinela, que comparava o nosso tempo com os dias de Noé e dizia que não era sábio ter filhos agora por causa da proximidade da "Grande Tribulação" e porque os 3 filhos de Noé também não tiveram filhos antes do dilúvio, etc., etc., etc. A STV sabe bem que conselhos deu mas agora está a fazer de conta que se esqueceu.

"Composta de pessoas com QI abaixo da média? Um terço das Testemunhas de Jeová falam pelo menos um idioma estrangeiro,"

Irrelevante para avaliar o QI.

"e 69% se mantêm em dia com os acontecimentos atuais."

Ou seja, vêem televisão.

Esta resposta da STV prova que as pessoas que escreveram o Anuário e/ou as que fizeram a pesquisa também têm um QI muito abaixo da média.

"Uma religião que proíbe os membros de apreciar a vida?"

A STV proíbe muitas coisas às TJ. A 'resposta' da STV (14,2 horas por semana em lazer, 17,5 em "actividades religiosas") não responde à pergunta. Aliás, nenhuma das perguntas foi respondida pela STV.

p. 143 § 2

A STV na Alemanha tem agora "Serviços de Informações"

"para lidar com a insistência dos opositores de usar a mídia para apresentar um quadro distorcido das Testemunhas de Jeová."

O que está distorcido é a imagem que as TJ têm de si mesmas.

p. 145 § 4

A senhora Maria Hombach ajudou a STV a branquear o traidor Erich Frost.


Malaui (pp. 149-222)

p. 149 § 1

"Com clima agradável e povo amistoso, Malaui..."

Analisemos mais de perto a 'amistosidade' desse povo.

  • 149 §2: "Em vez de serem tratados com bondade por seus semelhantes, [as TJ] foram vítimas de intensa perseguição, de horrores que fazem lembrar os pogroms contra os judeus e a Inquisição na Idade Média."

  • 182 §3: "... perseguição assumiu uma forma especialmente horrível... estupro, mutilação e espancamento de mulheres cristãs. Os sádicos agressores não poupavam ninguém. Idosas, jovens e até algumas irmãs grávidas eram submetidas a tais suplícios cruéis... milhares foram forçados a fugir... ataques brutais às Testemunhas de Jeová..."

  • 188 §4: "Os irmãos eram caçados em toda a nação... os perseguidores esfregaram uma mistura de sal e pimenta malagueta em seus olhos. Depois, bateram nos irmãos usando tábuas com pregos grandes."

  • 189 §1: "Os ataques selvagens ceifaram muitas vidas... amarraram feixes de capim em Zelphat Mbaiko. Derramaram gasolina no capim e atearam fogo. Ele foi literalmente queimado vivo!"

  • 189 §2 "... ela estava grávida e não podia correr muito rápido. Agindo como uma matilha de cães selvagens, uma turba a alcançou e a espancou até a morte."

  • 189 §3: "... seis irmãos e uma irmã foram assassinados, e seus corpos, terrivelmente mutilados."

Voltemos à página 149 §1:

"Bem-vindo ao coração de África, o caloroso Malaui! Com clima agradável e povo amistoso, Malaui é, de facto, um país caloroso e cativante."

Isto é humor negro ou quê?!

p. 152 § 2

"Aproveitando-se da situação, os clérigos do país caluniavam os Estudantes da Bíblia..."

Porque é que nunca vemos nas publicações da STV a expressão 'os clérigos jeovistas' ou 'os clérigos da Watchtower'?

p. 153 § 1 e seguintes

O Anuário não diz absolutamente nada sobre a mensagem que os seguidores da Torre de Vigia estavam a espalhar naquela época no Malaui (e no resto do mundo).

A mensagem eram as falsas profecias que anunciavam o fim do mundo para 1925 e que "milhões que agora vivem nunca morrerão."

p. 154 § 2

"Não dispostos a aceitar a direcção da Sociedade, fundaram seus próprios "movimentos Torre de Vigia"."

Que autoridade moral é que a STV tem para noutras publicações falar das 'seitas da cristandade', quando seitas e grupos dissidentes também se formam a partir da STV?

p. 155 § 2

"Inicialmente, a principal tarefa de McLuckie era desfazer a confusão que prejudicava os irmãos, causada pelos falsos "movimentos da Torre de Vigia"."

Novamente, que autoridade tem a STV para noutras publicações criticar a 'confusão existente nas seitas da cristandade' quando existiu igual confusão entre a STV e seitas dela dissidentes?

"Essas visitas às congregações ajudaram muitos a deixar de apoiar os falsos "movimentos da Torre de Vigia" e seus líderes."

Realmente devia ser difícil distinguir os verdadeiros "movimentos da Torre de Vigia" dos "falsos movimentos da Torre de Vigia".

Notem a referência aos "líderes" dos "falsos movimentos da Torre de Vigia". Como se o 'verdadeiro' "movimento da Torre de Vigia" não tivesse também líderes!

p. 171 § 1

"... cadastramento facultativo dos eleitores..."

Este parágrafo e os seguintes tornam claro que o que estava envolvido era essencialmente um cadastramento (ou recenseamento).

p. 171 § 2

"[As TJ] respeitam os governantes seculares..."

Contraste isto com a página 173 §4, onde a STV se dá ao luxo de falar da "incompetência de dois ministros" do Malaui. Se isto é respeito pelos governos seculares...

"[As TJ] pagam conscienciosamente os impostos."

Contraste isto com o que se passou na França o ano passado e com a mudança no método de venda de literatura nos países em que há impostos sobre as vendas, mantendo o método antigo nos países em que esses impostos não existem.

p. 171 § 3

"Com a febre de cadastramento eleitoral ardendo no país, as Testemunhas exerceram seu direito de não se cadastrar."

Ou seja, interpretaram o cadastramento como sendo envolvimento na política e quebra da "neutralidade cristã". Que disparate.

Não diz a Bíblia que José e Maria fizeram uma viagem para se cadastrarem?

Segundo o parágrafo, depois dessa recusa surge uma "violenta onda de perseguição." Depois os populares tentam obrigar as Testemunhas a comprar cartões de filiação partidária.

Só havia um partido no país e o Sr. Banda era 'presidente-para-toda-a-vida' (ao estilo africano). Parece-me que não havia diferença entre esses "cartões de afiliação partidária" e "cartões de identidade" que as TJ hoje aceitam em qualquer país.

p. 175 § 3

"... o jovem Maimba [um Malaui] ficava muito feliz de carregar a pasta do irmão Eaton [um branco] toda vez que saíam no serviço de campo."

Colonialistas? Nós?

p. 176 § 2

"... ele frisou que a Sociedade não diz a ninguém o que deve fazer e que cada pessoa precisa tomar sua própria decisão nesse respeito."

Em Crisis of Conscience [Crise de Consciência], p. 112 §2, Raymond Franz diz que Testemunhas que recorreram à filial da STV naquele país foram informadas que a compra do cartão seria uma violação da sua neutralidade cristã, seria um colaboracionismo e seria deslealdade a Deus.

Franz diz também que a Sede Mundial de Brooklyn apoiou a filial e escreveu artigos na revista Awake! [Despertai!] a promulgar essa posição oficial da organização (edição inglesa de 8 de Dezembro de 1972 e 8 de Dezembro de 1975).

Daqui se vê a hipocrisia da Sociedade ao dizer que "não diz a ninguém o que deve fazer e que cada pessoa precisa tomar sua própria decisão nesse respeito."

p. 183 § 3

"Ouviu-se alguns dizerem: "Agora sabemos que o fim do mundo está chegando, quando o povo de Deus se acha proibido em nosso país!""

Porque é que a STV inclui no Anuário comentários tão idiotas como esse?

p. 209 § 2

Pioneiro entra numa igreja e responde a perguntas. Resultam sete estudos bíblicos.

O que aconteceria se o pastor dessa igreja entrasse pelo Salão do Reino adentro durante o estudo da revista Sentinela e tentasse pregar as doutrinas da sua igreja? :)

p. 222 § 1

"Não sabemos por quanto tempo Jeová permitirá que continuemos a procurar "os correctamente dispostos para com a vida eterna"."

Antes sabiam. Agora já não sabem. Esqueceram-se.

Recomendo a leitura do capítulo 6 (pp. 110-135) de Crisis of Conscience [Crise de Consciência] de Raymond Franz, para se perceber as manobras de bastidores envolvidas no caso da perseguição em Malaui e para ver o que se passava simultaneamente no México, onde as TJ -- com a anuência da sede da STV em Brooklyn -- estavam a subornar agentes governamentais para adquirirem um cartão militar semelhante ao do Malaui, cartão esse que certificava terem as TJ cumprido um ano de serviço militar.

  • No Malaui as TJ estavam a ser mortas por não comprarem o cartão de filiação partidária (ou cadastramento civil).
  • No México as TJ subornavam as autoridades para comprar o cartão de cadastramento militar.

Tudo isto com o acordo da sede da STV em Brooklyn!


Uruguai (pp. 225-255)

p. 226 § 1

"Como reagiriam essas pessoas se, em vez de terem aprendido os credos da cristandade, tivessem aprendido a respeito do verdadeiro Deus..."

Curioso, nunca lemos nas publicações nenhuma referência a 'credos dos jeovistas' ou 'credos da Watchtower'. Pelos vistos, só os outros é que têm "credos"...

p. 226 § 2

"Veio da Espanha, em 1924, um homem chamado Juan Muñiz para procurar os de coração honesto que se tornariam adoradores de Jeová."

Por outras palavras: quem não se junta às TJ tem coração desonesto.

p. 226 § 3

"Muitas Testemunhas de Jeová daquela época se recordam de como ele conseguia manter a atenção de uma assistência por duas a três horas usando apenas a Bíblia, sem depender de anotações."

O que aconteceria hoje a um ancião que seguisse o exemplo daquele irmão e recusasse usar os 'esboços' de discursos ou outras publicações da Sociedade?

p. 233 § 2

Chegam ao Uruguai 16 mulheres missionárias das TJ.

"A presença delas em Montevidéu foi logo notada, e um jornal dizia que "anjos louros com maquiagem" haviam descido dos céus em Montevidéu!"

Que exemplo de modéstia (1 Pe 3:3)!

p. 235 § 3

"...comecei a ler sozinha a Bíblia. Aprendi muitas coisas. Por exemplo, aprendi que as orações a Deus devem ser feitas em particular, não para a pessoa ser vista pelos outros."

Então e as longas orações nas reuniões das TJ?

p. 241 § 2

"Logo percebi que havia encontrado a verdade."

Então e as falsas profecias feitas em nome de Deus? E as falsas doutrinas?

p. 247 § 1

  • Uma TJ toca a uma porta.
  • A moradora diz "de modo rude" para a TJ se retirar.
  • Um soldado aponta a metralhadora à moradora e ordena-lhe que atenda a TJ.
  • A moradora obedece.

p. 248 § 3

  • A Sociedade empresta dinheiro às congregações para construir "Salões do Reino".
  • Depois as congregações pagam o empréstimo.
  • No fim, a propriedade é registada em nome da STV (embora o Anuário não diga esta última parte...)

p. 249 § 2

"Sem nenhuma dúvida, Jeová tem abençoado a construção de lugares adequados de adoração para seu povo no Uruguai."

Que dizer dos templos das outras religiões?

Em que é que a construção de lugares de culto das TJ é diferente dos das outras religiões, de forma que se possa concluir que Deus 'abençoa' uns e não outros?

p. 253 § 1

"... o sacerdote apontou pela janela..."

Porque é que não usam o termo "sacerdote" para se referir aos "anciãos" das TJ?

p. 253 § 2

"... ele leu a publicação que fora deixada e entendeu que era a verdade."

Seria interessante saber qual era a publicação. Provavelmente é algum livro 'desactualizado' cujas 'verdades' entretanto se transformaram em mentiras e se alguém continuar a seguir o que esse livro antigo diz, é considerado "apóstata".

As verdades de hoje são as mentiras de amanhã.

p. 255 § 1

É impensável que o Anuário acabe sem fazer um bocadinho de sensacionalismo com os perigos do sangue e sem alertar para a iminência do fim do mundo (não vá as hostes notarem que este Anuário não bateu nessa tecla e concluam que não há urgência!)

"... recusando tomar sangue, elas pouparam a si mesmas muitas dores de cabeça."

E milhares morreram. Mas o Anuário não o diz.

p. 255 § 3

"Enquanto Jeová segurar os ventos da grande tribulação que se aproxima, as Testemunhas de Jeová no Uruguai continuarão a convidar outros..."

Notem que aquela urgência paranóica de outros tempos quase desapareceu.

Agora eles são mais vagos quando mencionam o Armagedom.

"Enquanto Jeová segurar..." -- este "enquanto" poderia continuar durante centenas de anos, tirando a urgência à suposta "aproximação".


Índice